Em casa / Brasil / Na balada na praia da Pipa (RN)
Balada na praia da Pipa: uma das noites mais legais do Brasil
Balada na praia da Pipa: uma das noites mais legais do Brasil

Na balada na praia da Pipa (RN)

A noite estava cheia e divertida no dia em que cheguei em Pipa, uma quinta-feira. Havia várias opções de barzinhos sofisticados e descolados, com drinks e comidinhas. Mas…

Mas melhor da noite em Pipa acontece é em uma esquina da Avenida dos Golfinhos onde se concentram os bares e baladas mais hippies, roots, modernos, porra-louca e joviais da agitada noite de Pipa.

Lugares como o Mikroponto Bar (é um lugar minúsculo, com atendimento simpático e que,  sim, faz referência ao LSD), Tribus Bar, Ginkas Music Bar ficam a poucos metros uns dos outros e o público se mistura nas ruas e calçadas.

É onde muitos argentinos e pessoas da América do Sul, alguns europeus e brasileiros de todo o país se reúnem bebendo nas mesas dos bares ou na rua e descobrem onde é o melhor da noite. Quase todo dia tem ao menos uma opção gratuita de bar com (boa) música ao vivo.

A quinta-feira serviu como um belo aquecimento para a noite da vila mais badalada do litoral sul do Rio Grande do Norte.

- Encontre as melhores pousadas e hotéis na Praia da Pipa

Chegou sexta-feira em Pipa

Na sexta-feira e no sábado, Pipa ferveu.

Além dos turistas de fora, pessoas de diversas cidades próximas, como Natal e João Pessoa, enchiam ainda mais as ruas, os bares e as calçadas. Uma balada bem multicultural, com uma faixa etária ampla e bastante gente acima dos 30 anos.

Pena que acabou cedo: uma lei recém-implantada acabava com o som na vila às duas horas da manhã (alguém sabe como está hoje?). A noite em Pipa só não terminava porque tinha a boate Calangos.

Calangos, a boate

Só peguei putsputs na Calangos. Música eletrônica, uma galera, na média, mais nova do que na rua e, bem, clima de baladão.

E baladão forte: só depois das duas da manhã a casa fica cheia e, piscou, você amanhece na Calangos, que é a balada mais famosa de Pipa.

De domigo, rola forró na Calangos, mas passei. Dizem que é muito bom.

Sobre o autor

Gustavo Villas Boas é jornalista, gosta de praias, baladas e comidas diferentes. A Amazônia é o destino que o emociona. Antes de embarcar no Muita Viagem, trabalhou na Folha de S.Paulo e no Estado de S.Paulo na cobertura de tecnologia, cultura e cidades. Mas lia o caderno de turismo.

4 A conversa tá boa

Responder

Seu email nunca será publicado Required fields are marked *

*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>