Início / Vasto Mundo / Bolívia / Uma road trip pela Bolívia: o Salar de Uyuni, o deserto surreal e as lagoas coloridas

Uma road trip pela Bolívia: o Salar de Uyuni, o deserto surreal e as lagoas coloridas

Gustavo Villas Boas – Mochilão pela América do Sul – Salar de Uyuni, Bolívia

EEEEE!!! Tentativa de salto sincronizado no deserto do Salar de Uyuni

EEEEE!!! Tentativa de salto sincronizado no deserto do Salar de Uyuni

O Salar de Uyuni, o maior deserto de sal do mundo, no altiplano boliviano, é um dos principais destinos turísticos não só da Bolívia, mas de toda a América do Sul.

O deserto e seus arredores, com vulcões, lagos, geisêres e formações rochosas inusitadas, compõem um cenário único, de paisagens tão impressionantes e diversas que receberam o apelido de parque de diversões de fotógrafos.

– O que fazer na Bolívia

Claro que coloquei o Salar de Uyuni no meu roteiro de mochilão pela América do Sul. E para chegar no deserto, aprendi muita coisa sobre a Bolívia: vindo do Peru, passeio por Copacabana, por La Paz  e Potosi até chegar ao meu destino.

Para nós, turistas, existe uma dica básica que aprendi no meu mochilão pela Bolívia e para quem quer fazer o tour pelo Salar de Uyuni: escolha uma boa agência de turismo para fazer a road trip pelo deserto, o preço deve ser só um dos critérios. Use referências na internet, pergunte a amigos, converse com outros turistas e mochileiros. Vá na melhor possível, a mais recomendada, a que te deixou tranquilo ao tirar dúvidas.

– La Torre Tour – Minha agência na road trip

Por todo o trajeto, passamos por cenários impressionantes

Por todo o trajeto, passamos por cenários impressionantes

A Bolívia é um país pobre, com poucos mecanismos de controle sobre agências de turismo e vi muita gente entre decepcionada e metida em perrengue no Uyuni por causa de agências que não cumprem o que prometem. Ouvi histórias de terror: guias que abandonam os turistas, motoristas dorminhocos (ou alcoolizados) e perda de bagagem.

Mas não se assuste, não é difícil encontrar boas agências turísticas lugares para fazer o tour, comigo e com a maioria das pessoas não acontece nada demais, fora ficar um dia, ou dois, ou, vá lá, três sem lugar decente para tomar banho (banho não é fácil, as temperaturas facilmente chegam abaixo de zero graus).

Posso afirmar que minha road trip tinha um motorista que dirigia com cuidado, uma Land Rover 4×4 em bom estado, comida decente, hotéis razoáveis no meio do deserto.

A road trip é feita em veículos 4 x4

A road trip é feita em veículos 4 x4

Outra dica importante: não faça a reserva do passeio com muita antecedência, principalmente se o ponto de partida para a road trip for a cidade de Uyuni e dependendo da época para ir. Por causa de protestos, é comum (ou melhor, não é raro) manifestantes fecharem a única estrada que dá acesso à cidade. No período de chuva, entre janeiro e maio, o roteiro normalmente sofre alterações. Nevascas no inverno também interferem. Mais abaixo falo sobre a melhor época para conhecer o Uyuni.

Existem agências nas principais cidades bolivianas, mas o mais barato é agendar das cidades que efetivamente funcionam como ponto de partida da road trip: Uyuni, Tupiza ou San Pedro, essa no Chile. É fácil achar um grupo para fazer o tour, que normalmente custa em torno de US$ 200 por pessoa. Cada carro leva entre 4 e 5 pessoas.

A Laguna Esmeralda é uma das atrações da mais famosa road trip da América do Sul

A Laguna Esmeralda é uma das atrações da mais famosa road trip da América do Sul

Eu parti de um dos lugares mais baratos para agenciar o tour para o Uyuni: Tupiza. Em julho de 2014, as rotas para a cidade de Uuyni estavam fechadas por  causa de protestos. depois de esperar quase duas semanas em La Paz, fui para Tupiza, no sul da Bolívia, perto da Argentina, e fiz o roteiro de viagem pela Bolívia a partir de lá.

Entre La Paz e Tupiza, parei em Potosi. Se eu soubesse que relativamente fácil chegar em Tupiza, teria feito antes a rota. Saí de La Paz às 9h da noite, cheguei no final da madrugada em Potosí,  conheci as minas de prata de Potosi e às 9h da noite fui para Tupiza, onde cheguei no meio da madrugada. Foram pouco mais de 30 horas entre La Paz e Tupiza.

– Melhores fotos do Salar de Uyuni no Instagram

– Instagram de viagem

Para um mochileiro, valeu a pena: o tour de Tupiza é mais barato, eu tinha tempo, consegui conhecer Potosí no pit-stop e acabei pertinho da Argentina, que então inclui de última hora no meu roteiro de mochilão pela América do Sul.

Tours para o Salar de Uyuni

Algumas paisagens são surreais, como nesse trecho chamado de Deserto de Dali

Algumas paisagens da road trip na América do Sul são surreais, como nesse trecho chamado de Deserto de Dali

Existem muitas opções de tour para conhecer o Salar de Uyuni, desde passeios de um dia até road trips de 3 ou 4 dias que passam por desertos, lagos coloridos, vulcões e geisêres na Bolívia e eventualmente no Chile.

O tour mais comum é a road trip de 3 dias a partir de Uyuni. Este tour pela Bolívia normalmente começa pelo Salar de Uyuni e as principais atrações do deserto de sal, como a Incahuasi, uma ilha no meio do deserto coberta de cactus, os lugares produtores de sal, um vilarejo e um hotel com a estrutura feita de blocos de sal.

Na sequência dos dias, o famoso cenário branco do Salar de Uyuni fica para trás e dá lugar a desertos mais clássicos, lagoas coloridas, geiseres. Como o céu se mistura ao deserto do Salar de Uyuni, a realidade parece se misturar ao sonho nesse trajeto.

Esses geisêres estão a 5 mil metros de altura; haja fôlego

Esses geisêres estão a 5 mil metros de altura; haja fôlego

Entre os lugares mais conhecidos e populares dessa road trip pela Bolívia estão as formações rochosas em torno da Arbol de Piedra, ou árvore de pedra, onde a erosão de rochas vulcânicas forma uma paisagem única, lagoas andinas onde vivem centenas de flamingos, lagoas coloridas, como a Laguna Colorada e a Laguna Esmeralda e desertos como o Deserto de Salvador Dali, cujos desenhos parecem saídos da mente surrealista do pintor espanhol.

São cenários únicos para todos os sentidos: a altitude faz com que falte ar, faz muito frio no inverno, com temperaturas abaixo de zero, e geiseres a 5 mil metros de altitude soltam vapores e água borbulhando. Parece tanto outro planeta que a Nasa testou a Mars Rover, o carrinho-robô enviado a Marte, no surreal solo dessa região da Bolívia.

É bom lembrar que as condições nesse tour não são fáceis: o Salar de Uyuni e os desertos nos arredores estão entre as regiões mais secas do planeta, em altitudes que passam dos 4 mil metros, entre outros fatores que tornam a vida muito difícil.

A Arlbol de Piedra, uma formação que lembra um árvore de pedra esculpida pelo vento

A Arlbol de Piedra, uma formação que lembra um árvore de pedra esculpida pelo vento

foto deserto salar uyuni bolivia 15

O tour a partir de Tupiza normalmente dura um dia a mais e faz o caminho inverso, terminando na cidade de Uyuni –o destino final é o cemitério de trem do Uyuni.

Como disse, fiz o tour a partir de Tupiza e, apesar de achar bem cansativo quatro dias de road trip pelo deserto boliviano (considere já estava mochilando pela América do Sul há quase 4 meses), acho que, como roteiro de viagem, faz mais sentido terminar no Uyuni o tour.

Outro ponto muito comum para fazer o tour até o Uyuni é por San Pedro de Atacama, no lado chileno na fronteira.

Melhor época para ir ao Salar de Uyuni

Em julho, havia lagoas congeladas sobre as quais dava para caminhar

Em julho, havia lagoas congeladas sobre as quais dava para caminhar

Uma região desértica a mais de 5 mil metros de altura. Um dos climas mais inóspitos da Terra. Um país pobre, com pouca infraestrutura. Ventos fortes, neve, chuva. Não é fácil percorrer o Salar de Uyuni, por isso é bom ter opções de lugares para sair para o tour e alguma flexibilidade no calendário durante a viagem. Mas não dá para garantir nada: como em qualquer tour em que a natureza é a estrela, tudo pode mudar.

Dito isso, há algumas referências para entender quando é melhor ir para o Salar de Uyuni de acordo com o que pretende ver.

De modo geral, a melhor época para cruzar o Salar de Uyuni e as lagos é na temporada seca, entre maio e dezembro. No inverno, em julho e agosto, apesar de ser muito seco, pode nevar e bloquear alguns caminhos.

Fiz o tour pelo Salar de Uyuni em julho e pude caminhar em lagoas congeladas, além de curtir as temperaturas mais baixas que já vivi na vida (dizem que de noite chega à sensação térmica de – 20 graus, mas acho que é exagero turístico-mochileiro).

Há lagoas em que dá para chegar a menos de dois metros de flamingos

Há lagoas em que dá para chegar a menos de dois metros de flamingos

TEMPORADA DE CHUVA E AS FOTOS

Algumas das paisagens e fotos mais conhecidas do Salar de Uyuni são registradas entre janeiro e abril, quando chove e o Salar de Uyuni vira um grande espelho do céu. Muitos amantes da fotografia vão ao deserto na Bolívia nessa época apenas pelas possibilidades que o sensacional cenário oferece.

Nessa época, cruzar o deserto de sal é ainda mais complicado e os tours usualmente apenas passam pela borda.

Eu fiquei decepcionado por não ver o espelho e pretendo voltar ao Salar de Uyuni com chuvas.

A Ilha de Cactus no meio do Salar normalmente não é acessível na temporada de chuvas

A Ilha de Cactus no meio do Salar normalmente não é acessível na temporada de chuvas

Dicas para o Salar de Uyuni

Além da melhor época para visitar o Salar de Uyuni, de escolher uma boa agência de turismo para a road trip pela Bolívia, de escolher a melhor cidade para dar início ao roteiro, é interessante pensar em equipamentos e cuidados para visitar o deserto de sal e seus arredores, além de saber alguns possíveis perrengues antes de embarcar.

Esse é um dos quartos: não espere por luxo na road trip pela América do Sul

Uma foto de um dos quartos: não espere por luxo nessa road trip pela América do Sul

  • Comida – Fiz o tour pela La Torre, uma agência de turismo de Tupiza. A comida foi bem boa. É simples e caseira e suficiente, dá para comer bem no café da manhã, almoco e jantar e há pouquíssimas opções de lugares para comprar comida durante a road trip, então se quiser algo em especial, leve.
  • Água – Leve a própria água, não importa o que a agência diga, tenha ao menos uma garrafa grande de água com você.
  • Banhos – Não é fácil tomar banho durante o tour. No meu roteiro, apenas um hotel tinha chuveiro quente, e na última noite, mas tinha que pagar para usar em um período limitado de tempo –tanto de banho individual, quanto de tempo de água quente para todos. A verdade é que estávamos em cinco pessoas no carro e todo mundo só tomou banho uma vez nos quatro dias: no segundo dia, em uma piscina de águas termais.
  • Fotos – O tour inteiro e especialmente o Salar de Uyuni é um parque de diversões para fotografias. Mas energia elétrica e tomada não são as coisas mais populares e fáceis no Uyuni, então se você tiver duas baterias para a câmera, um bom adaptador de tomada, uma extensão que aumente o número de entradas de energia e, principalmente, muita atenção para carregar sempre que dá sua câmera, faça isso. E, claro, sempre dá para apelar para o troca-troca de fotos com os outros mochileiros do tour.
  • Dinheiro – Leve dinheiro. Não importa o que diga a agência, tenha dinheiro. Por exemplo, eu não sabia que tinha que pagar uma taxa para entrar em um parque ou que teria a oportunidade para comprar cerveja de coca e cerveja de quinoa. Mas eu tinha dinheiro. Leve notas picadas e moedas para usar banheiros em vilarejos e algumas paradas.
  • Papel-higiênico – Tenha seu próprio rolo.
  • Toalhas – Se você for conseguir tomar banho, é bom ter toalha.
  • Roupa de banho – Sim, existe a possibilidade de nadar em uma piscina de água termal na maior parte dos tours.
  • Óculos escuros – Apesar de gelado, geladérrimo, durante todo o tour e especialmente no Uyuni há uma claridade alucinada.
  • Lanterna – É bom ter uma lanterna, porque vale a pena sair para caminhar a noite na escuridão total, entre outros motivos. O céu estrelado da Bolívia à noite é o mais impressionante que já vi.
O hotel feito de sal: sim, as paredes e os móveis são blocos esculpidos de sal, eu lambi...

O hotel feito de sal: sim, as paredes e os móveis são blocos esculpidos de sal, eu lambi…

– Mochilão pela América do Sul – Dicas de viagem, lugares para conhecer e ideias para o roteiro

Gustavo

Gustavo está em algum lugar da América do Sul, em um roteiro de mochilão que começou em março, no Equador.

10 Comentários

  1. Gustavo tudo bem? Parabéns pelo blog.
    Quando você falou sobre falta de ar já fiquei alerta, tenho bronquite e rinite, não são raras as situações que passo mal, apesar da medicação de USO contínuo. Pelo que entendi o desconforto respiratório pode ocorrer com qualquer pessoa. Você acha que seria pior para alguém com os problemas citados?

    • oi Ana,

      Sinceramente, o desconforto acontece com quase todas as pessoas. O pior é que o que acontece com algumas pessoas é passar mal mesmo: vi um menino cair no chão, vi uma menina vomitar durante a noite…

      Como leigo, o que eu sugiro para qualquer um que vá a essa altitude é ter alguns dias para se aclimatar sem grandes emoções ou passeios a pé, e também tentar fazer caminhadas diárias no Brasil para ter um melhor preparo físico, que sempre ajuda né?

      No seu caso, acho que seria bom ter uma opinião médica, mas imagino que não seja algo que te impeça de ir, mas, sim, acho que você tem que tomar um cuidado mais cuidadoso :)

      abs

  2. Gustavo, tudo bem?

    Estou muito preocupada quanto as temperaturas que eu posso enfrentar em uma viagem para Chile, Bolívia e Peru agora em Julho de 2015.

    Pelo ser relato, você viajou nesta época. Existem mais algumas recomendações que você poderia me passar?

    As roupas que você usou, o que foi suficiente pra segurar o frio, e claro, se em especial nesta travessia pelo Salar de Uyuni é necessário levar algo a mais para se proteger nas noites dos abrigos.

    Muito Obrigada,

    Ana

    • Oi Ana Paula,

      Viajei justamente por essa época nesses países.

      É bastante frio, principalmente à noite, no Uyuni, quando, dizem, a sensação térmica chega a menos 10 graus.

      Acho, sinceramente, que esse número é exagero dos guias, mas eu usava uma blusa corta-vento, uma blusa se lã, uma jaqueta, uma cueca comprida e uma calça jeans, duas meias ou três e luvas para dormir. Nos abrigos que eu fiquei tinha bastante cobertor e os quartos eram meio cheios, então não passei muito frio.

      De dia, dentro dos jipes é quentinho. Fora, é frio, mas nada insuportável, às vezes eu ficava até de camiseta quando estava andando muito.

      Roupas de lã, gorros, luvas, meias são bem baratas na Bolívia, então se você sentir muito frio no dia a dia, compre algo a mais para garantir no Uyuni.

      abs

  3. Olá Gustavo, muito bom seu relato, esse ano provavelmente faremos esse trajeto de Uyuni e em julho, vc realmente recomenda botas impermeáveis? Qual o risco de levar uma bota não impermeavel?

    Obrigado!

    • Eu estava com tênis de corrida. No Uyuni não lembro de ter passado por trechos que precisam de calçados especiais, porém se você molhar o pé por lá, as temperaturas são muito baixas.

      abs

  4. Ola Gustavo obrigada pelas dicas! Vou em outubro voce sabe me dizer quantos graus mais ou menos? E possivel iniciar e terminar a viagem por uyuni em 3 dias ou eu perderia alguma atracao? Tenho poucos dias disponiveis obrigada desde ja

  5. Boa Noite! gostei muito do seu relato!
    Estou com viagem marcada para o dia 14/12/2016 a San Pedro!

    você acha que consigo uma agência para me levar ao Salar do uyuni dia19/12/2016 sem ter que realizar reserva pela internet? Ou no dia 14, estando lá consigo uma reserva para o dia 19, pois não queria reservar pelo Brasil. obrigado

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*