Início / Antes da Viagem / Documentos e cartões para viagem de mochilão pela América do Sul

Documentos e cartões para viagem de mochilão pela América do Sul

Gustavo Villas Boas – Mochilão pela América do Sul

Enquanto viajava no roteiro do meu mochilão pela América do Sul, um fantasma rondava minha cabeça: o fantasma da burocracia. Quais documentos levar no mochilão? Como organizar o dinheiro, cartões, carteira de vacinação? O que eu vou precisar nos países que não são do Mercosul na viagem de mochilão?

Entre os documentos e burocracia que resolvi para a viagem de mochilão pela América do Sul estão o passaporte, o Certificado Internacional de Vacinação da Febre Amarela, a liberação de saque na rede Plus do meu cartão de débito, a substuição do meu cartão de crédito para conseguir um com data de validade maior (iria expirar no meio da viagem), a aquisição do Visa Travel Money, uma espécie de cartão de crédito pré-pago internacional, e a escolha do seguro-saúde (que deixei para última hora porque não sabia direito qual escolher).

Documentos para viagem de mochilão – Cartões de crédito, travel money etc.

Vou falar da minha experiência, do que planejei de melhor para meu perfil. Cada pessoa lida com o dinheiro, o medo de ser roubado, a organização financeira de um jeito e não existe fórmula pronta para mexer com o dinheiro em uma viagem de mochilão, ou qualquer viagem.

Conheci mochileiros que levam todo o dinheiro para uma viagem grande na mochila, enquanto outras pessoas andam com pequenas quantidades e confiam no cartão para tudo.

Também acho que a organização do dinheiro depende do tempo da viagem de mochilão.

Em viagens internacionais de até 20 ou 30 dias, por exemplo, eu arriscaria levar a maior parte do dinheiro em espécie, por causa do IOF.

No meu mochilão pelo Nordeste, confiei no cartão para quase tudo –e em vários lugares do Maranhão tive que pedir dinheiro emprestado ou pendurar… a maquininha falha bastante em lugares isolados.

Por isso, acho importante, para uma viagem de mochilão, ter dinheiro em espécie do país que você está –uma quantidade razoável, comparável a R$ 300 no Brasil ou mais. Ter também uma boa quantia de dólares americanos. Ter cartão de crédito internacional e cartão de débito pré-pago.

A primeira coisa que fiz para preparar a parte financeira do meu mochilão pela América do Sul foi renovar a validade do meu cartão de crédito internacional. A data de vencimento seria no meio da viagem, e por algum milagre da vida eu percebi isso.

Tentei pedir a renovação da data e daria um trabalhão. A melhor forma de fazer isso era, simplesmente, pedir um novo cartão e a renovação talvez fosse automática. Comigo funcionou.

Uso com cuidado o cartão de crédito por várias razões (inclusive de ordem paranoica): uma das grandes origens de fraudes no cartão de crédito são gastos em lugares turísticos.

Também considero que você não controla direito o orçamento do cartão de crédito, ainda mais em um mochilão pela América do Sul, já que o preço final vai depender do valor da moeda na hora da compensação do gasto do cartão de crédito.

Além disso, o IOF do cartão de crédito em viagens internacionais é de 6,38% –infelizmente, o mesmo imposto pago no cartão de débito pré-pago.

Travel Money – Cartão de débito pré-pago

Depois de garantir a validade do cartão de crédito, fui atrás do cartão de débito pré-pago internacional. O cartão é aceito como um cartão de crédito, com a diferença que você tem que colocar o dinheiro antes de usar –dá para recarregar pela internet.

Muitas agências bancárias têm o cartão pré-pago da Visa (MoneyCard Visa Travel Money) ou da American Express (Global Travel Card) para fazer na hora, sem muita burocracia.

Esses cartões pré-pagos pagam IOF de 6,38% na hora de carregar em dólar, ante 0,38% para a compra de papel-moeda.

A principal vantagem é a segurança –se você for roubado ou perder o cartão, recebe outro, no lugar em que estiver, em alguns dias, com o mesmo crédito–, mas existem outras promoções, conforme a bandeira do cartão pré-pago de viagem.

Na hora de escolher, fiquei tentado a adquirir um cartão pré-pago internacional de bandeira diferente do meu cartão de crédito, mas escolhi o MoneyCard Visa Travel Money, da mesma bandeira do cartão.

Isso porque não considero que um seja uma alternativa ao outro e preferi aquele que é o melhor cartão internacional, segundo minhas pesquisas, para um mochilão na América do Sul, já que espero usar muito mais o cartão pré-pago do que o cartão de crédito ao longo do roteiro.

Uma das diferenças entre os dois é que você carrega o cartão pré-pago internacional com dólares conforme a cotação do dia, então meu orçamento não fica sujeito a variações do dólar, como acontece no cartão de crédito.

Saques em caixa no exterior

Não se esqueça de liberar a função de saque do seu cartão de débito em redes internacionais de caixa eletrônico, por exemplo,  a rede Plus. Existem algumas taxas a cada saque feito, então eu costumo usar essa função apenas para renovar meu estoque de dinheiro de garantia.

Entre outras dicas para controlar o dinheiro na viagem de mochilão estão garantir que você possa usar o banco eletrônico via internet, guardar dinheiro e cartões em lugares diferentes e sempre deixar uma reserva em um lugar seguro no hotel.

Renovação de passaporte e visto para América do Sul

A maior parte dos países da América do Sul, mesmo aqueles que não fazem parte do Mercosul, não exigem visto para brasileiros –a Guiana Francesa é uma exceção.

Nos países do Mercosul, no Peru e na Colômbia, é possível entrar apenas com o documento de identidade em bom estado e com foto não muito antiga, de preferência . Atenção, a carteira de motorista não é válida como RG para entrar nos países.

Mesmo que você vá viajar só para países do Mercosul, leve o passaporte válido. Como diz o Danilo, em uma viagem internacional, o passaporte é o principal documento. Leve o passaporte, por favor. Você pode deixar o passaporte no hotel e sair apenas com o RG e ainda vai ganhar carimbos nas páginas.

E tirar o passaporte (ou renovar) é rápido e fácil.

Documentos para renovar o passaporte brasileiro

No caso do passaporte comum, basta ter o RG, o título de eleitor com o comprovante de votação da última eleição e o certificado de quitação do serviço militar obrigatório.

Com esses documentos em mão, solicite a emissão do passaporte no site da Polícia Federal.

Após preencher o cadastro, você tem que indicar em qual posto da PF você quer fazer a emissão do passaporte brasileiro –cada posto terá algumas datas e horários disponíveis.

Como eu tinha alguma pressa, mas sem desespero (por isso não fui atrás do passaporte de emergência), vi algumas opções de posto em Campinas e em São Paulo e escolhi o que tinha uma boa data e era fácil de chegar –no caso, o posto da Polícia Federal no Shopping Light, no centro de São Paulo.

Após preencher esse cadastro, será gerada automaticamente uma Guia de Recolhimento da União – GRU (R$ 156) que é preciso pagar e levar o comprovante no dia marcado no passo anterior.

Foto do passaporte

No dia e horário marcados, fui ao posto da PF no Shopping Light com os documentos necessários para tirar o passaporte e a GRU paga. O atendimento foi ótimo, no horário marcado e não levou mais de 15 minutos.

É nesse atendimento, que você marca pela internet, que você tira a foto do passaporte. Então quem gosta de se vestir bem para a foto, fazer a barba, pentear o cabelo com gel, essa é hora.

O passaporte ficou pronto em cerca de um mês –recebi um email da PF confirmando a chegada do documento ao posto. A partir da data da chegada, o viajante tem 90 dias para retirar o passaporte no posto da PF, sem horário marcado, basta levar o protocolo.

Certificado Internacional de Vacinação de Febre Amarela

A vacina para a febre amarela é altamente indicada para vários países da América do Sul e obrigatória em alguns deles, como o Peru. Para entrar no Peru, pode ser exigida a apresentação do Certificado Internacional de Vacinação de Febre Amarela. Tenha esse documento em sua viagem de mochilão.

A vacina para a febre amarela só deve ser tomada por quem vai a uma área de risco e tem validade de 10 anos. Eu já tinha sido vacinado quando fui para a Amazônia, mas perdi minha carteirinha de vacinação e tive que tirar outra.

Escolhi o Ambulatório dos Viajantes do Hospital das Clínicas de São Paulo. Após tomar a vacina contra a febre amarela, o certificado é expedido na hora. Precisei levar apenas o RG e não demorou mais de 20 minutos para fazer tudo –não tinha fila no dia.

Além da vacina contra a febre amarela, o Ambulatório dos Viajantes do HC aplica outras vacinas importantes para mochileiros (e viajantes em geral), como a de tétano e a de hepatite B.

Há a possibilidade de agendar uma consulta para saber os cuidados de saúde conforme o itinerário da sua viagem de mochilão.

Ambulatório dos viajantes

Endereço: Rua Dr. Enéas de Carvalho Aguiar, 155 – Prédio dos Ambulatórios – 4º Andar – Sala 8
Telefone: 11. 2661-6392

Gustavo

Gustavo está em algum lugar da América do Sul, em um roteiro de mochilão que começou em março, no Equador.

3 Comentários

  1. maria zelia da silva lima

    Gostaria de saber se o passaporte Portugal serve para viajar em cancun?grato aguardo resposta

  2. Oi! To adorando seus posts. Vão ser bem úteis pra mim. Estou planejando um mochilão que vai durar entre 4 e 6 meses (depende da grana rs). Vamos meu marido e eu, provavelmente em setembro. Minha dúvida está na quantia de dinheiro. Vamos viajar de ônibus, tentando carona sempre. A hospedagem vamos buscar sempre as mais baratas, mas não sei se vale a pena comprar coisas para acampar.
    1. Você acha que 25 mil é suficiente para nós dois?
    2. Você acha que compensa comprar equipamentos de camp?
    3. Caso não acampe, levo ou não saco de dormir?

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*