Home / Viajei (relatos) / Cartão Postal / O que fazer em Istambul: entre o ocidente e o oriente
Em um roteiro por Istambul, o turista vai cruzar com belas mesquitas; não deixe de conhecer
Mesquitas magníficas pontuam Istambul, na Turquia

O que fazer em Istambul: entre o ocidente e o oriente

Marcos Grinspum Ferraz

Quando o visitante aterrissar no Aeroporto Internacional Ataturk ou descer na estação de trem de Sirkeci, em Istambul, estará pisando em território europeu. Quando visitar, na mesma cidade, as mesquitas e palácios da região de Uskdur, por sua vez, estará pisando em território asiático.

Única cidade transcontinental do mundo, cortada pelo estreito de Bósforo, Istambul apresenta ao mesmo tempo traços culturais ocidentais e orientais, tradicionais e contemporâneos, com uma história milenar que se percebe não só na arquitetura, mas na pulsante vida de sua população, majoritariamente muçulmana.

Metrópole de 13 milhões de habitantes, fundada como Bizâncio pelos gregos e transformada em Constantinopla pelos romanos, a capital da Turquia recebeu seu nome atual apenas no início do século passado.

São muitas as coisas para fazer em Istambul, uma cidade moderna e tradicional

Istambul apresenta ao mesmo tempo traços culturais ocidentais e orientais

– Booking: Hotéis em Istambul

Istambul abriga suntuosas mesquitas e palácios, grandes mercados, importantes museus e galerias, intenso comércio, ótimos restaurantes, confeitarias e casas de chá, o que resulta em paisagens fascinantes. Paisagens ainda mais belas quando se enxerga o Bósforo ou o Corno de Ouro – espécie de “braço de rio” que divide a parte ocidental da cidade e pode ser atravessado pela ponte de Gálata.

Um dos lugares que mais explicita as várias camadas históricas da cidade é a basílica de Reina Sofia, ou Hagia Sofia, no bairro de Sultanameht (a cidade velha). O edifício foi construído em 532, no período bizantino, e funcionou como templo cristão por quase um milênio até ser transformado em mesquita pelo sultão Mehmed II (Maomé II). Em 1935, Mustafa Kemal Ataturk, criador da República da Turquia e seu primeiro presidente, fez do local um grande museu. A visita é imprescindível tanto pela bela vista exterior, com os quatro grandes minaretes, quanto – principalmente – pela estonteante cúpula interior.

Entre as coisas para fazer em Istambul, está ver as belas mesquitas da cidade turca

A mesquita de Yeni é um dos pontos de interesse de Istambul

Entrar nas várias mesquitas de Istambul é uma experiência marcante, tanto para ver a arquitetura quanto para observar os momentos de reza e ouvir os cantos que ecoam algumas vezes por dia (audíveis também pelas ruas da cidade).

Algumas mesquitas muito famosas são imperdíveis, como a Azul, a de Suleymane e a Yeni, mas não deixe de entrar em outras com as quais se depare em suas caminhadas pela cidade.

Também construído por Mehmed II, o Palácio Topkapi foi residência dos sultões durante séculos e é uma obra-prima do período de expansão do império otomano. Os jardins, os pátios, fachadas e janelas são fascinantes, mas nada é mais marcante do que os espaços interiores, com seus tetos e paredes de azulejos, vitrais coloridos, mosaicos e arcadas. De fato, faltam adjetivos para descrever o que ali se vê.

Para aprofundar ainda mais a experiência cultural que a cidade oferece, não deixe de fazer um banho turco (hamam) em alguma tradicional casa da cidade – a Cemberlitas Hamimi é uma das mais conhecidas. Não espere ser tratado como sultão (os funcionários sempre pedem uma caixinha a mais para prolongar a permanência do cliente no espaço ou a duração da massagem), mas não deixe de ter essa experiência bastante ímpar e relaxante.

Não deixe de conhecer em uma viagem a Istambul o Grand Baazar e pechincar preços mais baratos na Turquia

No Grand Bazaar, cores, sabores e aromas criam o cenário para negociar preços mais baratos

Falando em dinheiro, a principal característica do comércio em Istambul é a negociação. No Grand Bazaar, um dos maiores e mais antigos mercados cobertos do mundo (do século 15), com cerca de 60 ruas internas e milhares de lojas, os vendedores parecem ficar ofendidos se o cliente não tentar baixar os preços. Ficam mais satisfeitos com a negociação do que em receber o valor que pedem de início. Comidas, especiarias, lustres, louças, tapetes, joias e instrumentos musicais: o Grand Bazaar é um universo que vale algumas horas de passeio.

Ir para Istambul é também a possibilidade de viver uma experiência gastronômica única, que passa por tomar um simples suco de romã nas ruas ou por comer pães, kebabs, espetos de carne, peixes frescos, costeletas de cordeiro e berinjelas assadas. As comidas, os temperos, os cheiros e os chás são onipresentes na vida da capital. Alguns ótimos restaurantes são o Aliye Meyhane e o Balikçi Sabahattin, mas há infinitas opções. Vários não servem bebida alcóolica.

Não deixe de comer em Istamnbul os doces

As docerias de Istambul são um convite para descobrir novos sabores e texturas

As casas de doces, como a antiga Hafiz Mustafa, impressionam primeiro pela parte estética (observe as vitrines), em seguida pelo sabor dos pratos. Com massas folhadas, frutas secas, mel, pistaches e nozes, podem ser degustados acompanhados de chás, servidos em belas chaleiras e copos de vidro, ou de um café turco, que vem com a borra no fundo da xícara. Por mais estranho que pareça, o tavuk gogsu é uma espécie de pudim de leite que leva peito de frango na receita e é muito saboroso. O arroz doce também não deixa a desejar.

Istambul moderna e contemporânea

Uma parte mais moderna da cidade é a região de Beyoglu, com vida noturna agitada, lojas internacionais, galerias de arte, músicos tocando na rua, hotéis e restaurantes tradicionais ou contemporâneos.

Caminhe da Torre Gálata, que tem uma bela vista, até a praça Taksim pela avenida Istiklal, uma das mais vivas e interessantes da cidade. As ruas no entorno também são bonitas e mais calmas, menos turísticas. A praça Taksim, palco de diversas manifestações políticas e acontecimentos cruciais da história da Turquia moderna, é também vizinha do belo parque Taksim Gezi.

– Dicas de viagem para a Turquia

É nessa parte de Istambul que se localiza um dos mais peculiares museus da cidade, quiçá do mundo. Concebido pelo escritor Orham Pamuk (Nobel da literatura), o museu foi criado a partir de uma história de amor fictícia, contada no romance “O Museu da Inocência”. De mesmo nome, o espaço abriga milhares de objetos – fotos, perfumes, brincos e até bitucas de cigarro – que teriam sido reunidos obsessivamente pelo protagonista do livro e que se relacionam à mulher que amou por toda a vida. Na verdade, são objetos recolhidos obsessivamente por Pamuk ao longo de anos. Um museu real e imaginário, que vale a visita por sua peculiaridade e beleza.

Para apreciadores de arte moderna e contemporânea, espaços como o Istanbul Modern – museu de arte moderna da cidade – e o santralistanbul – imponente centro cultural situado na ponta do Corno de Ouro – expõem uma cidade que se mostra cada vez mais conectada ao circuito internacional das artes. Fique atento também à programação das galerias Arter, Rodeo e Galerist e do Pera Museum, que além de ter uma bela coleção histórica de azulejos, cerâmicas e pinturas, apresenta boas mostras temporárias.

– Dicas de viagem para a Europa

Por fim, um passeio de barco pelo Bósforo é imperdível. Estreito que liga o Mar Negro (ao norte) ao Mediterrâneo (ao sul), passando pelos mares de Mármara e Egeu, o Bósforo tem uma paisagem fascinante e pode ser percorrido em vários tipos de barco e em passeios com diferentes durações e preços. Não deixe também de assistir a um espetáculo de dança turca, como o que acontece na mítica estação de trem Sirkeci, onde chegava o Expresso do Oriente.

Comente aqui

O seu e-mail não é publicado. Preenchimento obrigatório *

*