Início / Vasto Mundo / Camboja / Entenda melhor o Regime Khmer Vermelho em Phnom Phen, capital do Camboja
museu-genocidio-viagem-camboja

Entenda melhor o Regime Khmer Vermelho em Phnom Phen, capital do Camboja

Por Sani Hadek

Depois de duas noites na homestay em Kampong Cham, hora de partir rumo a Phnom Phen, a capital do Camboja.

A Kim, dona da homestay, foi comigo para a beira da rodovia, parou o ônibus para mim, e deu as instruções para o motorista do local onde eu precisaria descer. E lá fui eu…

Fui recepcionada em Phnom Phen por um trânsito infernal. Carros, scooters carregando 4 pessoas, pedestres e buzinas para todos os lados.

– Como chegar no Camboja via Tailândia?

– O que fazer em Siem Reap, no Camboja?

– O Templo de Angkor Wat, em Siem Reap

Onde ficar em Phnom Phen, capital do Camboja?

Fui direto para o hotel onde havia feito minha reserva. O Hotel Royal, nada demais, mas tinham quarto privado e organizavam vistos para o Vietnam, minha próxima parada.

Apesar da pouca vontade de sair, estava com fome. Encontrei um restaurante pequenininho com comida honesta e barata, e voltei para o hotel. Não me senti muito segura, uma mulher mochileira, andando sozinha, pelas ruas da capital ao escurecer.

– Pesquise mais de 350 opções de hospedagens em Phnom Phen pelo Booking.

Ao fazer uma reserva com os links acima você ajuda o blog Muita Viagem sem pagar mais nada por isso e colabora para mais relatos e dicas de viagens.

Tuol Sleng – Museu do Genocídio no Camboja

onde-dormir-cambodja

Um dos locais de tortura dos prisioneiros do Regime Khmer Vermelho. É assustador!

Mas depois de um bom banho e uma noite bem dormida, logo cedo já estava de pé, negociando com um tuk tuk para me levar para visitar a prisão S-21 – conhecida também como Tuol Sleng, o museu do genocídio. Veja o endereço com o Google Maps.

A prisão S-21 costumava ser uma escola, que em 1976 foi tomada pelo regime ultra comunista Khmer Vermelho e transformada em um centro de interrogatórios, tortura e execução.

Conta-se que cerca de 14 mil pessoas foram presas, acusadas de traição ao regime, e apenas 7 delas sobreviveram. Sete!

Os prisioneiros, entre eles mulheres e crianças, eram torturados e enterrados em grandes valas, todos juntos.

É um lugar extremamente triste, com uma carga emocional bem pesada, tanto dentro dos prédios como nos campos onde se pode ver onde os prisioneiros foram enterrados – o chamado Choeung Ek Killing Fields.

turismo-phnom-phen

O Museu Tuol Sleng e uma das valas, onde eram enterrados os torturados do regime Khmer.

Em um dos prédios é possível encontrar milhares de fotografias de prisioneiros decorando as paredes, e cada uma delas capaz de tocar a alma de uma maneira diferente.

Uma das fotos que mais me chocou foi a de uma mãe com um bebê de colo. Em seu olhar, uma mistura de desespero e resignação. Muito sofrimento. E por fim, aceitação…

Se você pretende visitar Tuol Sleng – a prisão S-21 e Choeung Ek Killing Fields, vale muito a pena ler um pouco sobre a história do Camboja e o regime do ditador Pol Pot, para conseguir entender melhor o genocídio que aconteceu por lá.

turismo-viagens-cambodja

Alas das prisões onde mulheres e até crianças eram torturadas de forma desumana…

Não tive vontade nenhuma de passar mais alguns dias em Phnom Phen. A capital do Camboja é uma cidade barulhenta, com muita sujeira espalhada pelos cantos e muito  poluída, caótica e totalmente desordenada.

Peguei minha mochila, conferi meu visto para o Vietnam, e pé na estrada novamente!

Para finalizar meu mochilão de 3 meses na Ásia fui agora, viajar para o Vietnam! Vem comigo, então, descobrir um pouco mais sobre este exótico país e o povo vietnamita!

About The Author

Sani Hadek já morou em 4 países e ama viajar desde criança. Em 2004 deixou tudo para trás e aventurou-se no mundo atrás de respostas para suas tantas perguntas. Desde então, roda o mundo com sua mochila suja e não desgruda da câmera fotográfica. Escreve sobre suas aventuras no Muita Viagem e sobre vida saudável em Raw4Happiness.

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*