Início / Viagens pelo Brasil / Sudeste / Viagem de trem – O Expresso Turístico da CPTM
estacao-luz-viagem-trem-sp

Viagem de trem – O Expresso Turístico da CPTM

Uma dica de viagem rápida em São Paulo é aproveitar a infraestrutura do transporte público e trens metropolitanos da capital.

expresso-turistico-cptm

Trem da CPTM na estação da Luz | Foto: MV

Viajar de trem em São Paulo pode ser bem legal e divertido. Uma boa dica de viagem para famílias com crianças e o público da terceira idade é o Expresso Turístico da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM).

O Expresso Turístico é um serviço da CPTM com 3 opções de roteiros pela história e cultura do Estado de SP.

Os roteiros seguem sempre da Estação da Luz, da CPTM, um dos mais importantes pontos turísticos da capital, para Mogi das Cruzes, Jundiaí e Parnapiacaba.

Para este último destino, o passageiro pode iniciar a viagem de trem saindo Estação Prefeito Celso Daniel, em Santo André, na Linha 10 Turquesa e paga mais barato por isso.

– Outras dicas de viagens de trem

– Destinos no interior de São Paulo

Foto em Destaque: Cyro A. Silva

Turismo Rural – interior de SP

Destinos próximos de São Paulo – Mogi das Cruzes

Fiz a viagem de trem até Mogi para conhecer de perto o grande cinturão verde, área que garante um clima mais ameno na metrópole paulista por conta dos rios e mananciais ali preservados.

Durante a viagem conhecemos melhor os produtos e serviços integrantes da oferta turística deste destino como as propriedades frutíferas Hoçoya e hortaliças Sítio da Roça, o Casarão do Chá e o Paradise Golf & Lake Resort.

Como era um evento especial, fomos recepcionados por um grupo musical cantando músicas sertanejas de raiz, além de comissários de bordo na entrada do trem turístico do interior.

Antes da viagem começar é feito o speech com instruções de emergência. O mais importante é NÃO colocar as mãos para fora da janela do trem.

Recebemos informações sobre a história da estação da Luz e sobre antiga rota de trem que ligava a capital de São Paulo à cidade litorânea de Santos.

Em 2014, as viagens para Mogi das Cruzes no Expresso Turístico acontecem no 2.º sábado de cada mês. Aos domingos o trem expresso faz as viagens para Parnapiacaba. Já as viagens para Jundiaí partem aos sábados.

Para saber os dias, vagas e tarifas é bom consultar o site www.cptm.sp.gov.br. É possível também ir até Mogi e demais destinos das linhas de trens da CPTM, porém há paradas e os trens menos confortáveis.

O trem expresso para Mogi das Cruzes partiu da Estação da Luz às 8:30. Foi anunciado que a viagem demoraria apenas 1h, porém o trajeto foi feito em 1h40 tanto na ida quanto na volta. É um lado ruim da viagem de trem, pois ir de carro deixaria a viagem mais rápida.

No entanto, é realmente uma viagem legal para fazer com crianças. O trem do Expresso Turístico é confortável e não pára em nenhuma estação. É possível ver alguns pontos da cidade como Brás, Tatuapé até São Miguel Paulista e Mogi das Cruzes.

O que fazer em Mogi das Cruzes?

City Tour

Para quem quiser fazer o City Tour Mogi para Mogianos deve procurar o Centro de Informações Turísticas (CIT), nas Praça Oswaldo Cruz e contratar os serviços de um guia de turismo ou empresa de receptivo. Recomendo Descobrindo Mogi ou DebiMogi.

O tour é feito em micro ônibus executivo com ar-condicionado e guia de turismo e parte da estação de trem, no centro de Mogi, em direção aos bairros mogianos de Biritiba Ussu, Braz Cubas, Cocuera, Quatinga, Centro Histórico, Itapeti, Jundiapeba, Sabaúna e Taiaçupeba.

Orquidário

Não cheguei a ir no Orquidário Oriental de Mogi das Cruzes, localizado na Estrada do Taboão de Paretei. É reconhecido pela variedade e beleza das orquideas. Aliás, a cidade de Mogi das Cruzes é um importante produtor de flores e frutas.

Um outro orquidário em Mogi das Cruzes é o Paraíso das Micro Orquídeas, com orquídeas, pássaros e animais em bosque natural também com árvores frutíferas nativas na Rodovia Prof. Alfredo Rolim de Moura (Sentido Biritiba Mirim / Salesópolis).

Casarão do Chá

casarao-cha-mogi

Restauração demorou 17 anos | foto: MV

A mansão é um patrimônio arquitetônico e cultural da Imigração Japonesa na região. Construído em 1942 na região de Cocuera – Mogi das Cruzes, pelo arquiteto-carpinteiro Kazuo Hanaoka.

Muitos imigrantes japoneses chegaram à região de Mogi das Cruzes nas décadas de 1920 e 1930 em busca de terras férteis do interior paulista para o cultivo de verduras e frutas. Os imigrantes ganhavam pouco nas fazendas cafeeiras e buscavam também uma independência financeira.

Uma das culturas na década 40 eram as plantações de chá, pois o Brasil exportava chá preto para o Reino Unido com o início da Segunda Grande Guerra (1939) que interrompeu o comércio de chá da Índia para a Inglaterra.

Depois do fim da Segunda Grande Guerra (1945), o mercado europeu se fechou para os produtos brasileiros e isto prejudicou o Casarão e as exportações de chá.

Contudo o que ficou foi a arte do arquiteto-carpinteiro Kazuo Hanaoka, o construtor do Casarão do Chá. Degradado com o tempo, a Associação Casarão do Chá trabalhou em sua restauração durante 17 anos, a fim de transformar o local em Espaço Cultural. O qual será reinaugurado dia 1º de junho de 2014.

O espaço terá informações sobre o cultivo das ervas, degustação e lojinha de produtos, além de feira de artesanato do lado externo.

Para quem gosta de cerâmicas, vale conhecer a casa de Cerâmica Nakatani. Lá você encontra bules, pratos, xícaras e muitos outros utensílios.

Pico do Urubu

pico-urubu-mogi

Voo livre de parapente no Pico do Urubu, na Serra de Itapeti. | Foto: Wikipédia

Um dos pontos turísticos da cidade é o Pico do Urubu, na Serra Itapeti. O lugar é conhecido por ser ótimo ponto para a prática de voo livre, além de visual exuberante da paisagem com morros, planícies e campos do interior.

A trilha pode ser feita a partir da estação de Mogi das Cruzes. São aproximadamente 8 km seguindo do pico de onde quem gosta de esportes mais radicais fazem voo livre de parapente.

Sítio da Roça

mini-alface-sitio-roca-mogi-sp

A propriedade é grande produtora de hortaliças. O senhor Tanaka, dono da propriedade emprega cerca de 120 pessoas. Tivemos a oportunidade de comer a alface colhida do pé. Uma mini alface parece ser o xodó do agricultor.

Se você é de São Paulo, provavelmente já viu as verduras do Sítio da Roça no supermercado.

As mini alfaces são vendidas para restaurantes famosos em São Paulo como o Fasano e D.O.M do Alex Atala.

Enquanto o pé de alface comum tem cerca de 50 folhas e você não consegue comer inteiro, o mini alface chega a ter 120 folhas e você consegueria comê-lo inteirinho.

Para conhecer a fazenda é preciso agendar previamente com alguma agência de turismo para grupos de crianças, terceira idade e turistas em geral.

Não chegamos a conhecer por falta de tempo, mas quando excursão de crianças que viajam para conhecer a propriedade, seguem das plantações até o leito do Rio Tietê.

Fazenda Hoçoya

caqui-fruticultura-hocoyaOs produtores frutíferos da fazenda Hoçoya estão entre os melhores na produção de caqui fuyu, rama-forte, kioto e guionho. Experimentei e comprei o fuyu e realmente a fruta é saborosissíma.

No passeio fizemos a degustação de caqui e é possível levar para casa uma embalagem com 3 caquis fuya por R$5 ou uma caixa com 6 caquis chocolate por R$4.

Comprei uma geléia de nêspera por R$8 e um sorvete de cambuci por R$2. É bem gostoso! Fiquei com vontade de experimentar o de yogurt com limão.

A propriedade rural ainda é grande produtora de atemóia (parecida com a pinha, porém com muito mais fruto e menos sementes), nêspera, lichia, pitaya e pêra.

Para o viajante é bom ter este contato com o turismo rural, aprendi por exemplo ao podar uma árvore você estressa a planta, que se sente ameaçada e produz mais do que o que seria natural.

Outra curiosidade é que no Japão existem pés de caqui com mais de 300 anos. É preciso um agricultor com bastante meticulosidade para fazer uma árvore com mais de 10 anos dar bons frutos, pois com o tempo a fruta vai perdendo qualidade e sabor.

Andar de bicicleta

O destino perto de São Paulo tem um Circuito de Aventura para o Cicloturismo para os viajantes que levam a bicicleta no trem e aventuram-se de Mountain Bike.

Em Mogi das Cruzes há alguns roteiros e trilhas para quem gosta de pedalar. Você poderá escolher e fazer o seu próprio circuito.

  • circuito rural – visitando orquidários, fruticulturas e hortaliças;
  • circuito religioso – visitando as igrejas do Carmo, São Benedito, Matriz e a Mesquita Islâmica com bicicletário;
  • circuito cultural – com os museus Guiomar com bicicletário, Expedicionários, Divino Espírito Santo, Casarão do Carmo, Casa da Banda Santa Cecília, Ciarte e Theatro Vasques com bicicletário
  • circuito ecológico, visitando o Pico do Urubu no Parque Municipal, Parque Centenário com bicicletário e a Ilha de Marabá.

O que levar?

Leve uma bicicleta para estrada de terra, em perfeitas condições de funcionamento.

Revise a bike antes da viagem para evitar transtornos e possíveis acidentes.

Leve também um lanche como barras de cereais, frutas frescas e desidratadas, doces como pé-de-moleque ou biscoitos.

Tenha também sempre a seu dispor uma garrafinha de água, além dos itens de segurança como capacete e luvas.

Outra dica para quem pratica bike é sempre ter uma maleta com ferramentas mínimas para a manutenção da bicicleta e um kit de primeiros socorros é sempre importante.

Um seguro viagem também é sempre conveniente.

Festa do Divino – Mogi das Cruzes

Dia 29 de Maio comemora-se a Festa do Divino, importante data do turismo religioso de Mogi das Cruzes, uma festa de destaque no calendário de eventos de Mogi.

A Festa do Divido de Mogi das Cruzes é a maior do Brasil. Tem início no dia 29 de Maio e segue até o dia 8 de Junho. A festa religiosa mantém as tradições vivas com a entrado dos palmitos, a alvorada, folguedos, quermesse, folia do divino, muitas peregrinações e orações.

Para mais informações acesse o site www.festadodivino.org.br

Onde ficar em Mogi das Cruzes?

A cidade tem uma razoável quantidade de hotéis. Recém inaugurado, o Ibis em Mogi das Cruzes para ser uma boa opção.

Há também o Hotel Mercure com diárias a partir de R$164* e o Hotel Marbor com diárias a partir de R$179*. (*pesquisa realizada em 22/05/2014).

Para quem quiser infraestrutura de um resort, poderá ficar hospedado no Paradise Golf & Lake Resort. É um belo de um resort, um dos mais próximos da capital e o mais perto do ABC.

– Busque opções de hospedagem em Mogi das Cruzes pelo Booking

Durante a press trip não tivemos muito tempo para conhecer as hospedagens e usufruir da infraestrutura deste resort, mas sem dúvida é um bom lugar para ficar com a família e crianças.

Além de campo de golf, piscinas e muita área verde, o hotel é bacana para casais que viajam com crianças, pois o local conta com monitores, sala de jogos, brinquedoteca e um quarto todo decorado de personagens infantis com reservas disputadas.

Fiz o passeio com o apoio da Prefeitura de Mogi das CruzesAssociação Brasileiro de Agentes de ViagensExpresso Turístico da CPTMAssimptur, Descobrindo Mogi e DebiMogi Projetos Turísticos.

Danilo

Dan já foi Comissário de Voo e Relações Públicas. Hoje é um viajante. Já viveu no Canadá, fez road trip pela Califórnia e mochilão na Europa. Conhece 20 países e todas as capitais do Brasil. Quer conhecer 50 antes dos 50.

1 Comentário

  1. Olá Danilo!

    Gostei do post bem elaborado sobre o Casarão do Chá! Parabéns!
    Neste ano estaremos realizando um dos mais importantes eventos do Casarão:
    2° Festival de Cerâmica! Serão 70 ceramistas expondo seu trabalho!!
    Fica o convite.
    Obrigada!!

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*