Início / Na Viagem / Arequipa e o Cânion de Colca, o Paraíso Profundo do Peru

Arequipa e o Cânion de Colca, o Paraíso Profundo do Peru

Gustavo Villas Boas – Arequipa e o Cânion de Colca – Mochilão pelo Peru

Um dos lugares para conhecer no Peru mais bonitos (e desafiadores) é o Cânion de Colca, a 160 km de Arequipa, uma das maiores cidades do país, a 1000 km de Lima, a capital peruana.

Foi fácil me convencer a colocar Arequipa e o Cânion de Colca no roteiro de viagem pelo Peru: Arequipa é Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco e o Vale de Colca é uma vasta coleção de paisagens com cultura riquíssima.

Arequipa com o vulcão Misti ao fundo

Arequipa com o vulcão Misti ao fundo

E são muitas as atrações dessa região no sul do Peru.

– Dicas de viagem pelo Peru

– Mochilão pela América do sul – Lugares para conhecer

O Cânion de Colca é o mais profundo do mundo, com lugares que passam dos 4 mil metros de profundidade, quase o dobro do Grand Canyon, nos Estados Unidos. Por isso, é também conhecido como Paraíso Profundo.

Nele fica a Cruz del Condor, um ponto privilegiado para assistir ao voo dos condores, o gigantesco pássaro que faz parte da mitologia inca e andina. Pelas manhãs, a ave com envergadura de asas de até 3,2 metros corta o céus muitas vezes pertinho dos turistas.

O gigante condor voa perto dos turistas

O gigante condor voa perto dos turistas

Ocupado por humanos há mais de 10 mil anos, tem tesouros arqueológicos, uma viva cultura indígena, além de construções coloniais espanholas que podem ser conhecidas nos passeios pelas vilas do Vale de Colca.

A paisagem moldada há milênios pelo homem é única. Os terraços para agricultura encravados nas laterais do cânion serviram –e servem– como laboratório de culturas. Como a altura varia muito, formam-se micro-climas ótimos para diversos tipos de vegetais diferentes.

De Arequipa, parte muitos dos tours pelo Peru para conhecer essas atrações. Existem opções de passeios diários, mas vale a pena fazer o trekking de dois ou três pelo Cânion de Colca, que não é fácil. O preço do passeio no Peru varia entre 120 soles e 150 soles. Uma dica é deixar para agendar de Arequipa o passeio –quem eu conheci no mesmo tour e agendou pela internet pagou mais que o dobro.

A caminhada no Cânion de Colca é deslumbrante --e exaustiva

A caminhada no Cânion de Colca é deslumbrante –e exaustiva

As principais opções de caminhadas no Cânion de Colca são passeios de dois dias –uma noite– ou de três dias –com duas noites.

O roteiro é quase sempre o mesmo. Entre os locais visitados estão algumas vilas, um hotel pequeno no meio do Cânion de Colca, a Cruz del Condor, onde os pássaros voam, banhos em águas termais e um mirador para os vulcões que cercam a região.

Trekking pelo Cânion de Colca

As proporções são gigantescas. Encontrou o humano na foto?

As proporções são gigantescas. Encontrou o humano na foto?

A viagem por um dos lugares mais lindos para conhecer no Peru começa saindo de madrugada de Arequipa, vai até a Cruz del Condor para ver pássaros sobrevoando ao amanhecer, passa por um vilarejo para o café da manhã e depois vai até o começo da caminhada pelo Cânion de Colca.

A descida até o primeiro ponto de parada, onde almoçamos, é bem complicada. Estava em um grupo de quatro pessoas –três turistas e um guia– e todo mundo caiu (menos o guia, que levava varas para caminhada). O joelho sofre mais do que em uma subida.

Para quem não está acostumado com trekkings, recomendo fazer o tour de duas noites. A primeira noite a pessoa dorme no lugar onde almoça, depois de caminhar umas quatro horas. Eu continuei para mais quase quatro horas de caminhada, até chegar no chamado oásis no meio do cânion.

O oásis em que dormimos sob um céu muito estrelado

O oásis em que dormimos sob um céu muito estrelado

A hospedagem é sensacional, um dos melhores lugares para ver o céu estrelado à noite na América do Sul. O frio é tenebroso e tem que acordar bem cedo para subir o cânion. É uma subida difícil por causa da altitude, mas menos dolorida que a descida.

Na volta, conhecemos mais uma pequena vila no Peru, onde tomamos café, almoçamos em outra vila e, quem quer –e paga mais 15 soles– pode tomar banho de águas termais aquecidas pelos vulcões. Eu, que estava em uma viagem barata de mochilão, preferi esperar o grupo.

Antes de chegar a Arequipa, ainda passamos por um mirador dos vulcões da região, a mais de 5 mil metros de altura e onde faz muito, muito frio, além de conhecer outras vilas.

Uma das vilas em que paramos na viagem pelo Peru

Uma das vilas em que paramos na viagem pelo Peru

Gustavo

Gustavo está em algum lugar da América do Sul, em um roteiro de mochilão que começou em março, no Equador.

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*