Início / Vasto Mundo / Canadá / Canadá: eleito o melhor destino de viagem de 2017
As montanhas de Alberta, no Canadá, formam alguns dos cenários naturais do país
As montanhas de Alberta, no Canadá, formam alguns dos cenários naturais do país

Canadá: eleito o melhor destino de viagem de 2017

por Gabi Saraceni

O Canadá é um país da América do Norte que encanta por suas belezas naturais. Não é à toa que o país foi eleito o melhor destino de viagem para 2017 pelo Lonely Planet.

Na costa leste, as cidades de Toronto, na província de Ontário, e Montreal no Québec são os destinos mais procurados. Inclusive para quem sonha em conhecer as Cataratas do Niágara na divisa com os Estados Unidos.

Já na costa oeste, no Oceano Pacífico, a cidade de Vancouver, na província Colúmbia Britânica, mistura o clima praia e montanha com cenários encantadores. É também uma boa porta de entrada para quem deseja visitar o Alaska (EUA).

Apesar do país considerar o Inglês e o Francês como línguas oficiais, a grande maioria da população se comunica em inglês.

O Canadá é conhecido por ser um país muito frio. Mas, não se engane, apenas no inverno as temperaturas são baixas, bem baixas. Na cidade de Toronto (ON), a temperatura média no inverno chega a -30°C! Já na costa oeste, em Vancouver, o clima é mais ameno, com temperatura média anual por volta de 10°C.

– O que fazer no Canadá

A cultura canadense tem influencias de seus colonizadores e também dos “First Nations”, termo que eles usam para os primeiros habitantes, os indígenas.

A folha da bandeira do Canadá é da árvore Maple, bem típica por lá, que fica vermelha no outono, quando as folhas trocam de cor deixando as cidades e as florestas com um colorido incrível.

Essas árvores guardam no tronco uma seiva bem doce que quando extraída e processada se torna xarope, o Maple syrup, bem comum na culinária canadense.

Visto para o Canadá

Toronto é uma boa base para visitar as Cataratas do Niagara, na fronteira com os EUA

Toronto é uma boa base para visitar as Cataratas do Niagara, na fronteira com os EUA

Para quem tem passaporte brasileiro, é preciso tirar o visto no Consulado Canadense.

Essa medida está para ser mudada! Fique atento ao site do consulado, em breve vai ser mais fácil ir para o Canadá.

Mas, até 2016, o visto para brasileiros visitarem o Canadá ainda é necessário.

Para tirá-lo, basta entrar com o processo diretamente no site. O conteúdo é em inglês ou francês e todo processo é feito on-line, se for visto de turista.

Basicamente você precisa responder algumas perguntas no site do Consulado e o próprio sistema responde quais documentos serão necessários para que você aplique ao visto.

Depois de enviados e preenchidos os documentos (formulários em pdf, cópias do seu passaporte etc), paga-se uma taxa e espera o resultado.

Se você receber em seu e-mail uma carta dizendo que deve enviar o seu passaporte para o consulado, parabéns! Seu visto foi aprovado.

Daí, basta entrar em contato com o serviço de frete oficial para enviar seu passaporte e depois recebê-lo em casa com o visto impresso. O processo facilita a vida de quem não tem disponibilidade para ir até um dos consulados.

Passagem para o Canadá

Seja costa leste ou costa oeste, você deve ficar atento às escalas na hora de comprar a passagem aérea.

Os voos para o Canadá com escala nos Estados Unidos exigem visto para os Estados Unidos, mesmo para conexões.

As companhias aéreas não deixam embarcar se você não tiver o visto válido.

Uma alternativa para quem não tem visto é procurar a Air Canada, que faz voos diretos para Toronto do Brasil. Ou outras cias aéreas que fazem escala na América Central e do Sul.

Moeda do Canadá

A moeda local é o dólar canadense (CAD). Na conversão para real, o CAD é um pouco mais barato que o dólar americano.

Mas não se engane, pois os preços por lá acabam anulando essa diferença. É mais barato que os Estados Unidos sim, mas nem tanto.

Na hora de fazer compras no Canadá, o preço da etiqueta não é o preço final. Os impostos são adicionados no caixa. E isso serve para todo tipo de compra: comidas, roupas, diária em hotel, aluguel de carros… A porcentagem varia do tipo de produto e da província, em geral, conte com 15% de imposto no final. No caso de restaurantes e bares, o imposto gira em torno de 6%, mas conte com a taxa de serviço, não inclusa, de mais 15 a 20% como praxe local.

fotos – pixabay

Gustavo

Gustavo está em algum lugar da América do Sul, em um roteiro de mochilão que começou em março, no Equador.

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*