Início / Viajei (relatos) / Mapa Mundi / Viajando pelo México – Atrações, culinária e dicas para colocar no roteiro
Viajando pelo México, não deixe a capital fora do roteiro
Avenida Juarez na Cidade do México - Foto: Diva de Mochila

Viajando pelo México – Atrações, culinária e dicas para colocar no roteiro

MargarethDiva de Mochilaguest post

Olá! Me chamo Margareth e comecei uma viagem de volta ao mundo em dezembro de 2015. Desde então foram diversas cidades visitadas e muitos países.

Antes de começar essa viagem, eu tinha viajado para o exterior apenas a trabalho, então tudo tem sido uma grande novidade, mas eu não estava preparada para o que veria no México!

 

O país é simplesmente sensacional. Impossível não se apaixonar por lá e querer ficar mais e mais tempo conhecendo cada canto e cada diversidade cultural. Assim como o Brasil, existem muitos “Méxicos” no México.

– Dicas de viagens para o México

A chegada, o trajeto e a saída do México

Os sítios arqueológicos do México estão espalhados por todo o páis

Sítio arqueológico de Palenque no México – foto: Diva de Mochila

Estou viajando com meu marido, e nossa proposta de viagem é evitar avião. Viajamos de ônibus, trem, barco… tudo que nos faça aproveitar melhor o trajeto.

Chegamos no México em 22 de fevereiro através da fronteira com a Guatemala.

Fomos muito bem recebidos e ganhamos logo de cara 180 dias para curtir o país. Nossa ideia era percorrer o país de ponta a ponta, começando pelo leste e cruzando para oeste. Ou melhor, de oriente para poniente, que é como eles dizem.

Ficamo no país até maio e nosso roteiro no México foi: Palenque, Yachilán, Bonampak, Playa del Carmen, Chichén Itzá, Tulum, Campeche, Villahermosa, Xalapa, Puebla, Cidade do México, Guadalajara, Puerto Vallarta, Los Mochis, Chihuahua e Juaréz.

Museu Anahuacalli, na Cidade do México – foto: Diva de Mochila

Nosso plano inicial sempre foi sair do México por Juaréz para entrar nos Estados Unidos. Talvez você tenha ouvido falar que lá é muito perigoso, ou até mesmo tenha assistido àquele filme “Sicario”. Bem, a realidade de hoje em dia é diferente.

A cidade é segura e as pessoas extremamente simpática. Decidimos sair por lá, pois é em Juaréz que a margarita, drink típico mexicano, foi inventada. E, devo dizer, valeu muito a pena! Foi a melhor margarita da vida. O bar onde foi inventado se chama Kentuchy Club e fica a poucos passos da fronteira com os Estados Unidos.

Um fato interessante para ficar atento é que desde março o país mudou a política dos períodos de permanência. Eles nos deram 180 dias de permanência no passaporte. Pois bem, desses 180, apenas 7 eram “cortesia”.

Quando cruzamos a fronteira de Juaréz para El Paso (Texas) foi um quiprocó danado. Primeiro descobrimos que teríamos que pagar uma taxa de 500 pesos (cerca de R$100), já que ficamos mais de 7 dias pelo país. Depois foi um parto pra pagar, pois não é na imigração que paga… É algo novo e ninguém sabia dizer muito bem se era só pra quem saía por terra.

Por isso, vale pesquisar os documentos para entrar no México antes de ir. Veja no site oficial do Itamaraty as recomendações para viajantes brasileiros que visitam o México.

E, pra finalizar, a imigração dos Estados Unidos nos barrou duas vezes antes de nos liberar.

Nós já tínhamos tirado o visto, B1/B2, pros EUA antes de sair de viagem, ainda no Brasil. Mas o agente da imigração cismou com a forma como pagaríamos nossa viagem pelo país. A questão é que trabalhamos online e custeamos a viagem com o que ganhamos a cada mês.

Depois de explicarmos detalhadamente nosso trabalho, mostrarmos nossas declarações de Imposto de Renda e tudo mais, o agente liberou. E ainda nos deu 180 dias!!! Mas só precisávamos de 90, pois vamos pegar um avião no Alasca, para a Sibéria, em agosto desse ano.

De qualquer forma, todo o trabalho e custo valeu a pena. O país é incrível e eis o primeiro motivo: a cultura antiga do povo mexicano.

Viajando pelo México

O famoso templo de Templo_Chichen Itza no México – foto: Diva de Mochila

O México é um país muito diverso, com influências vivas de diversas civilizações pré-colombianas.

Na parte do sul, mais próxima a Guatemala e Belize, os maias predominavam. Subindo mais para o norte do Istmo, há os olmecas. E na parte central até o norte, haviam os aztecas.

Muitos desses povos se originaram um dos outros ou tiveram uma forte troca cultural e política. Alguns inclusive faziam casamentos entre os nobres de diferentes cidades para fortalecer os laços de união entre elas.

É sensaciona!l Existem diversos sítios, parques arqueológicos, museus e cada um tem uma peculiaridade.

Viajando pelo México você se depara com lindas surpresas

Mural do Diego Rivera no Palácio Presidencial da Cidade do México – Foto: Diva de Mochila

Por exemplo, em Bonampak há o que considero a “Capela Sistina” dos maias. Em Xalapa, o Museu de Antropologia tem peças de todo o país, muito bem catalogadas e conservadas.

No meio da capital do país, Cidade do México,  existem ruínas aztecas, bem ao lado da imponente catedral já que os espanhóis tentaram ao máximo suplantar a antiga cultura. Além disso, o Museu Anahuacalli, herança de Diego Rivera para os mexicanos, está repleto de peças pré-colombianas.

Sem contar a incrível pirâmide de Chichén Itzá, na Península de Yucatán, que na época dos equinócios faz com que a serpente esculpida em suas escadas, desça aos olhos nus dos visitantes. É imperdível!  Na mesma região de Yucatán, ainda existem os cenotes, que são formações naturais únicas e surpreendentes.

Cada sítio, cada construção, cada cidade, guarda um segredo esperando ser explorado e um detalhe esperando ser observado. Sei que ainda ficou muito coisa para ser vista, mas isso é só mais uma desculpa, que nem preciso, pra voltar a visitar o país.

Outra desculpa, fajuta, é a culinária!

A culinária mexicana

A comida mexicana é uma das delícias de viajar pelo México

A culinária mexicana é uma atração à parte no país: colorida e saborosa – Foto: Diva de Mochila

Assim como cada região tem um sítio arqueológico e influência diferente de alguma civilização, cada região tem um prato diferente. E isso é simplesmente sensacional!

Eu gosto de comer, bem e muito, e sempre gostei de comida mexicana. Mas o que temos no Brasil não é comida mexicana de verdade. É apenas a visão que os americanos têm sobre o que é a comida mexicana.

Os tacos que vendem no mercado, aqueles duros que esquentamos no forno e recheamos, sabe? Você não verá pelo país.

No México o taco é servido numa pequena tortilla de milho maleável. E existe uma infinidade de tipos. Experimentei todos que via. rs

Tacos al pastor, tacos de suadero (um dos meus favoritos), tacos de cabeza (que é de cérebro de boi), tacos de lengua (da língua do boi), e assim por diante. De todos o que menos gostei foi o de cabeza, achei meio sem gosto e a textura é estranha.

Além dos tacos, existem muitos outros pratos deliciosos: pipían verde o rojo, mole (um molho com cacau), mixiote, pozole, enfrijoladas, chalupas, cemitas, chanclas, chilaquiles… e ainda têm o chapolin, uma espécie de grilo que eles comem frito.

Sem contar as salsas, que são as pimentas. Lá as pimentas são saborosas. Picam (é como eles dizem que arde), mas têm sabor.

Depois de umas duas semanas comendo as pimentas, já estava me sentindo super mexicana… hahaha. Não conseguia mais comer nada se não tivesse uma pimentinha junto.

Eu me fartei de comer, porque sabia que sentiria saudade. E acertei… agora escrevendo esse post e lembrando de tudo, bateu muito água na boca.

E o melhor é que a comida é barata! Uma orden, porção com 5 tacos sai uns R$5. É a melhor comida fast food da vida! Você verá muita gente comendo tacos de rua por todo o país.

México é daqueles países que todos deveriam conhecer. As pessoas são simpáticas, as cidades são lindas, a comida é incrível e a cultura é extremamente rica.

A capital, Cidade do México (CDMX), é uma das cidades mais inacreditáveis da América Latina. Só o Paseo de La Reforma já vale a visita.

Espero que esse post tenha levado um pouco da minha paixão pelo país até você e que ajude a quem estiver planejando conhecer esse lugar imperdível! =)

Por Margareth

Virei mochileira depois dos 30. Larguei meus 572 esmaltes, as centenas de roupas e calçados e hoje tudo que tenho carrego comigo na minha mochila (que pesa uns 15Kg porque tem uns 4 pares de sapatos…rs). Largo tudo, menos o lado diva.

Confira os relatos de viagem e a volta ao mundo da Margareth no Diva de Mochila.

Acompanhe o Diva de Mochila no Instagram

Muita Viagem

Muita Viagem - Dicas e histórias de viagens. É feito por Gustavo, jornalista, Danilo, comissário, e amigos, que vivem viajando pelo Brasil e no mundo.

Comente! Queremos saber o que pensa.

O e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*