Início / Vasto Mundo / Equador / Vilcabamba, o Vale da Longevidade no sul do Equador

Vilcabamba, o Vale da Longevidade no sul do Equador

Gustavo Villas Boas – Mochilão pela América do Sul – Vilcabamba – Equador

Vilcabamba, no sul do Equador, para descansar. Foi assim que coloquei o pequeno povoado no sul do Equador no meu roteiro de mochilão pela América do Sul. Vilcabamba seria a cidade que dividiria minha viagem pelo Equador e meu roteiro de mochilão pelo Peru.

 

O Vale Sagrado no sul do Equador: tranquilidade, misticismo e natureza em Vilcabamba

O Vale Sagrado no sul do Equador: tranquilidade, misticismo e natureza em Vilcabamba

Famosa no mundo inteiro por (supostamente) ter, relativamente, a maior população centenária do mundo, Vilcabamba é um vale de descanso encravado nos Andes.

E a tradição de ser um lugar para relaxar na América do Sul é, realmente, histórica: Vilcabamba, o Vale Sagrado, era uma região de descanso para a nobreza inca. Hoje atrai mochileiros, aposentados e famílias do Equador e do mundo em seus hotéis baratos em meio ao campo.

Não é difícil imaginar o motivo: o vale, cercado por montanhas e rios, tem um excelente clima (por lá, dizem que é o clima perfeito para o ser humano viver), paisagens estonteantes e é um ótimo lugar para fazer trilhas, observar pássaros, borboletas etc. Tudo com muita calma, devagarzinho.

Há muitas trilhas interessantes perto do povoado de cerca de 2 mil habitantes

Há muitas trilhas interessantes perto do povoado de cerca de 2 mil habitantes

fotos vilcabamba mochilao equador vale longevidade velhos andes 15

Cheguei em Vilcabamba para passar uns dois dias e fiquei uma semana no Vale Sagrado –como também é chamado o lugar. Além das paisagens e da natureza, Vilcabamba, por trás da imagem de tranquilidade, tem uma efervescente cultura.

O lugar reúne aposentados atrás de tranquilidade, mas também hippies, esotéricos e mochileiros por causa da sua aura mágica, como o Vale do Capão, na Chapada Diamantina brasileira, ou São Tomé das Letras, em Minas Gerais.

Entre as trilhas ao lado de rios e passeios à noite, fui descobrindo um pouco dessa cultura mágica de Vilcabamba.

Vale a pena conhecer as pessoas em Vilcabamba, um lugar mágico como a Chapada Diamantina no Brasil

Vale a pena conhecer as pessoas em Vilcabamba, um lugar mágico como a Chapada Diamantina no Brasil

O nome da cidade vem de vilca, uma árvore sagrada (para ser claro, uma árvore com propriedades alucinógenas) e bamba, ou vale em quéchua, o idioma inca.

Além das vilcas (no Brasil, conhecidas como angico), existem muitos cactus de San Pedro (com o qual se faz uma bebida alucinógena muito tradicional nos Andes) e uma grande oferta de ayahuasca, a bebida que, da Amazônia, se espalhou pelos Andes e pelo mundo.

Ou seja, a qualidade de vida do Vale Sagrado, apontado por muitos o melhor lugar para o ser humano viver do mundo, é apimentada pela oferta de rituais xamânicos e cultura esotérica. No mínimo, um caldeirão divertido.

Em torno da pracinha da igreja há restaurantes, lojinhas e mercadinhos

Em torno da pracinha da igreja há restaurantes, lojinhas e mercadinhos

Mas também quero lembrar uma coisa chata: aparentemente não é verdade que Vilcabamba é o Vale da Longevidade, onde muitas pessoas passam dos cem anos. A história remonta a década de 50, quando um reportagem da National Geographic surpreendeu-se com o número de centenários no pequeno paraíso equatoriano e registrou em uma reportagem de sucesso.

Mas… as pessoas mentem. Os velhinhos de Vilcabamba acrescentaram algumas décadas às suas vidas ao conversar com os jornalistas e a fama pegou.

Por causa da lenda, o local chamou a atenção e hoje é sede de um importante centro de pesquisa gerontológica no Equador.

Boas histórias não faltam no Vale Sagrado.

Na minha semana em Vilcabamba, aprendi que ali reúnem-se os ilumitati (seja lá o que for essa sociedade secreta), que os disco-voadores gostam de voar pelos céus locais e que ali é um bom lugar para as bruxas reporem a energia.

Também há muito o que fazer em Vilcabamba sem mergulhar no misticismo (ou em bebidas de poder).

Quase todos os dias (e às vezes à noite, sob a luz da lua), caminhei por trilhas que levavam a paisagens cheias de cores, montanhas, rios.

fotos vilcabamba mochilao equador vale longevidade velhos andes 16

Tanto a vista do pequeno povoado de longe quanto a variada coleção de flores que cercam as casinhas impressionam (é uma região úmida, próxima a Amazônia, que faz calor de dia e frio à noite, em uma empolgante mistura de ecossistemas).

Uma das atrações perto de Vilcabamba é o Parque Nacional Podocarpus, um dos lugares com maior biodiversidade no planeta, de árvores a borboletas, passando por pássaros, ursos e raposas.

Apesar de ter alguns tours pagos, minha semana em Vilcabamba foi uma das mais econômicas do meu mochilão pela América do Sul.

Com tantas ofertas, aproveitei para fazer passeios e caminhadas grátis, a comida é muito barata (come-se bem por US$ 2,50) e fiquei em um ótimo hostel por US$ 8 em um quarto privado.

Com o tempo, descobri algumas opções de hospedagem, já no meio da mata, ainda mais interessantes, com piscina, jacuzzi e outras mordomias, por preços que giram em torno de US$ 8, mas estava bem instalado e resolvi não mudar de hostel (em um mochilão barato pela América do Sul, é um prazer inenarrável encontrar uma hospedagem boa, barata e em quarto privado).

Trilhas, trilhas e trilhas --além de relaxar, dá para andar por belas paisagens

Trilhas, trilhas e trilhas –além de relaxar, dá para andar por belas paisagens e tirar muitas fotos

Como chegar em Vilcabamba

A cidade grande mais próxima de Vilcabamba é Loja, a apenas uma hora de viagem de ônibus (US$ 2). Os ônibus entre as duas cidades circulam durante todo o dia, não é preciso comprar a passagem com antecedência.

Se você está em um mochilão pela América do Sul descendo do Equador para o Peru, Vilcabamba é uma ótima opção para colocar no roteiro de viagem.

Loja tem ônibus direto para Piura, no norte do Peru, em dois horários –a meia-noite e às seis da manhã. Ou seja, Vilcabamba é ótima para uma paradinha antes de entrar no Peru, onde as viagens são mais longas e cansativas.

Eu estava evitando pegar ônibus noturno durante meu mochilão, mas encarei a viagem de 12 horas de Loja até Piura, no Peru, a partir da meia-noite.

Cruzando a fronteira entre o Equador e o Peru

Foi bom para ganhar tempo, mas foi estresssante cruzar a fronteira entre o Equador e o Peru de madrugada.

O motorista não parou no lado equatoriano, e quando eu passeio pela burocracia peruana, o clima não era dos mais agradáveis; me fizeram voltar a pé, de noite, para o Equador para bater alguns carimbos de saída do país vizinho.

A caminhada entre o posto de fronteira dos dois países era curta –uns 500 metros– mas tinha que passar, apenas com a luz da lua, sob uma ponte.

Para piorar, e para a alegria dos barraqueiros e dos militares peruanos na fronteira, uma matilha de cachorros encasquetou comigo e chegou pertinho, latindo, prontos para morder. O pessoal em volta, entre risadas, só chamou os perros de volta quando, sem opção, comecei a dar mochilada nos bichos.

No escritório da fronteira peruana, o burocrata se recusou até a emprestar a caneta para eu preencher a papelada.

Tudo deu certo. Mas sozinho, de madrugada, sem ter ideia de onde eu estava no mapa mundi, com um monte de militares e cachorros de mau humor ao redor, vivi, depois de 45 dias, o maior perrengue do meu mochilão pela América do Sul.

Gustavo

Gustavo está em algum lugar da América do Sul, em um roteiro de mochilão que começou em março, no Equador.

8 Comentários

  1. Adorei! Deu vontade de conhecer =) esse ano chego quaaaaaase até o Equador (vou até Máncora) mas volto. Mas ficou na lista das vontades sim.

  2. Eu achei lindo, vale a pena colocar na listinha. Mancora é pertinho, acabei de escrever sobre lá. :)

  3. Gustavo Farias eu vi… to te seguindo pra pegar as dicas ;) (com uma invejinha boa também! kkkkk)

  4. Olá Gustavo, estou indo para o Equador em dezembro, mas começando pela Colômbia. Vi num post navegando pela net sobre Vilcabamba e me apaixonei. Sou baiana, da Chapada Diamantina. Mas vi que a cidade já fica bem no sul do Equador. Vou pra Quito, Cuenca e queria trocar Guayaquil por Vilca…será que rola…

    • Oi Tarsila, vale muito a pena trocar Guayaquil (a cidade que menos gostei no Equador –e que muita gente nã gosta) por Vilcabamba. O Equador é pequeno e muito fácil de andar de ônibus, fica fácil ir depois de Cuenca.

      Abs

  5. E o mundo é uma caixinha de surpresas, Gustavo, acho que vou dar uma 'esticadinha' no meu mochilão (acho que uns 2 meses a mais de viagem, kkkk). Voltei aqui pra anotar as dicas de lá, já coloquei no roteiro. E de novo, parabéns pelo blog… não é das coisas mais fáceis achar infos tão detalhadas do Equador ;) Beijoooos

  6. Pretendo conhecer em breve

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*