Início / Viajei (relatos) / Diário do Brasil / Visita aos peixe-boi em São Miguel dos Milagres-AL

Visita aos peixe-boi em São Miguel dos Milagres-AL

Uma das regiões de mais antiga colonização de Alagoas, as cidades de São Miguel dos Milagres e Porto de Pedras, a cerca de 100 km de Maceió, ainda não foram descobertas pelas multidões de turistas e oferecem algumas das praias mais conservadas e paradisíacas da Costa dos Corais, como é conhecido o trecho do litoral norte alagoano que tem a segunda maior barreira de corais do mundo.

As águas calmas e límpidas, as piscinas naturais e a natureza pouco tocada de praias como a praia do Toque, Porto da Rua e São Miguel dos Milagres atraem muitos casais em lua de mel e pessoas querendo tranquilidade.

Apesar de fazerem parte de guias badalados, não espere por lugares agitados, com baladinhas e bares, pelo menos fora da altíssima temporada.

— Pousadas e hotéis em São Miguel dos Milagres

A conservada praia do Patacho está sempre nas listas de melhores praias do Brasil | foto - Leandro Macedo Gonçalves

A praia do Patacho está sempre nas listas de melhores praias do Brasil | foto – Leandro Macedo Gonçalves

A faixa de areia mais famosa da região é a praia do Patacho, em Porto de Pedras, apontada aqui e ali como uma das praias mais bonitas do Brasil –e o cenário é mesmo deslumbrante.

Encontro com os peixe-boi do rio Tatuamunha

A praia do Patacho é mesmo linda. Mas o passeio imperdível e único que fiz nos dois dias que fiquei no litoral norte de Alagoas foi para o santuário do peixe-boi marinho na foz do rio Tatuamunha, que divide as duas cidadezinhas.

O simpático e estranho animal está em extinção –há menos de 500 desses mamíferos no Brasil-– e o santuário na área do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ligado ao Ibama) é um lugar onde é possível avistar o bichão de forma sustentável, às vezes solto na natureza.

Os peixes-bois no rio Tatuamunha são dóceis e curiosos | foto - Divulgação

Os peixes-bois no rio Tatuamunha são dóceis e curiosos | foto – Divulgação

Fui bem cedo (e a pé a partir de São Miguel, uma bobagem, seguindo por uma estrada sem acostamento) à sede da associação para não perder o passeio: por dia, 70 pessoas podem visitar o trecho do rio onde fica o viveiro dos animais que estão em readaptação para voltar à natureza.

O passeio custou 30 reais, e depois de uma caminhada por uma área conservada de manguezais, chega-se a base onde ficam os jangadeiros que levam para percorrer o rio.

Os jangadeiros da Associação dos Condutores de Turismo do Peixe-Boi não podem usar barcos com motor para não correr o risco de machucar os peixes-bois e sabem tudo sobre como funciona o projeto. Além do passeio, a conversa é muito boa. Eles conhecem os animais pelo nome, sabem a personalidade de cada um, falam sobre as particularidades da região…

Dizem que não há a certeza que você verá um dos animais de perto (há uma parte cercadinha onde dá para ver os mamíferos em cativeiro, sendo readaptados), mas todo mundo que conheci e que fez o passeio chegou bem perto do animal.

Os peixes-bois são dóceis e curiosos. Não raro, encostam no barco para brincar. Se fosse permitido, daria para tocar o animal, um bicho bem rústico, com jeitão pré-histórico.Olha só o vídeo:

Onde ficar em São Miguel dos Milagres?

Apesar do cenário paradisíaco, minha passagem por São Miguel dos Milagres e Porto de Pedras foi meio desastrosa. Tive culpa: desembarquei sem traçar nenhum plano, só sabia que queria ver o Patacho.

 – Maragogi e o Caribe Brasileiro

São Miguel é uma cidade bem tranquila e parada

São Miguel é uma cidade bem tranquila e parada

Fui em novembro de 2012 e, após chegar em São Miguel, ralei como um camelo atrás de uma pousada com preço decente.

São poucas as ofertas de hospedagem em São Miguel. Os quartos que achei eram beeem caros, tem muita pousada bacanuda com poucas vagas, coisa para casal. Também havia muitas ofertas de casas para alugar por temporada, dizem que há bons preços.

Depois de muito rodar, já estava cogitando dormir na praça pensando nela ou pagar R$ 300 reais por um quarto.

Fui salvo por dois irmãos que tinham acabado de montar dois quartinhos para alugar, muito bons por sinal. Estreei um deles.

Quarto ótimo, mas sem café da manhã e limpeza e televisão. Ar-condicionado? Não tinha nem ventilador e custou R$ 100.

À noite, em uma quarta-feira, fiquei pasmado como a cidade é parada. Tinha machucado meu dedo na porta do carro e doía demais.

Não conseguia pensar em nada e resolvi que o melhor remédio era tomar quatro cachaças para dormir como um anjo, mas nem um mísero boteco encontrei aberto nas andanças pela cidadezinha de 8 mil habitantes. E tinha acabado de escurecer. A maioria dos milagrenses mora na zona rural.

Mas não que as ruas estivessem vazias: tinha criança brincando com bola, tiazinhas sentadas na frente das casinhas de teto baixo e um zigue-zague de motos. É um cotidiano bem diferente de SP.

– Roteiros de viagens baratas pelo Brasil

Há uma boa oferta de restaurantes na região, mas para ir aqui e ali, é preciso usar um carro: as poucas opções ficam meio esparramadas, não há um centrinho movimentado, tem que pegar a estrada para ir a outras vilas e cidadezinhas.

Por isso, muitos carros particulares funcionam como táxis de preço fechado para turistas, inclusive para buscar e levar para os aeroportos de Recife e Maceió por baixos valores. Peguei um desses para voltar de São Miguel para Maceió: custou apenas 10 reais.

A ideia inicial do roteiro era ir para Maragogi, mais ao norte de Alagoas, a apenas 40 km por estrada de São Miguel, mas o dedo doía tanto que desisti.

Gustavo

Gustavo está em algum lugar da América do Sul, em um roteiro de mochilão que começou em março, no Equador.

1 Comentário

  1. Gustavo. Incrível o seu material. Muito conteúdo de qualidade. Preciso de muito tempo para degustar. Muito bem desenhado. PARABÉNS. Sou seu seguidor de agora em diante. turislogia.com.br usando meu perfil do Facebook

Pergunta aí! Queremos saber

O seu email não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*