Home / Viajei (relatos) / Diário do Brasil / Arquitetura contemporânea em novos espaços culturais de São Paulo
Sesc 24 de Maio em SP - foto: Matheus José Maria/Divulgação

Arquitetura contemporânea em novos espaços culturais de São Paulo

Marcos Grinspum Ferraz

Com uma sincronia rara, em menos de um ano São Paulo ganhou três novos espaços culturais de peso que, para além da riqueza de suas programações nas mais variadas áreas artísticas, destacam-se como pontos de importante valor arquitetônico para a cidade.

Inaugurados entre agosto de 2017 e abril de 2018, o Sesc 24 de Maio, projetado por Paulo Mendes da Rocha, o Instituto Moreira Salles (IMS), do escritório Andrade Morettin, e o Sesc Avenida Paulista, da dupla Konigsberger e Vannucchi, surgem como atrações de grande impacto na vida do paulistano e dos visitantes que passam pela cidade.

Piscina no topo do Sesc 24 de Maio. Foto: Marina Burity/ Portal Sesc

No coração da região central, entre o Theatro Municipal e a Praça da República, o Sesc 24 de Maioocupa um antigo prédio que ganhou reforma radical assinada pelo mais importante arquiteto brasileiro em atividade. Mendes da Rocha manteve a estrutura do edifício original, mas promoveu mudanças drásticas para abrigar teatro, áreas expositivas, biblioteca, restaurante, cafeteria, piscina, consultórios e salas para atividades físicas.

– O que fazer em SP: uma São Paulo nada óbvia

A reforma, que durou 8 anos, promoveu um maior diálogo entre o prédio e a cidade – com uma entrada térrea sem grades ou muros – e uma melhor comunicação entre os próprios andares do edifício. Para interligar os pisos, o arquiteto criou uma rede de rampas em zigue-zague que permitem ao visitante caminhar a pé pelo novo Sesc sem precisar pegar elevador ou escadas.

Rampas do Sesc 24 de Maio. Foto: Matheus José Maria/ Portal Sesc

Revestido quase todo em vidro, o prédio tem como espaços mais impactantes os últimos andares, que abrigam o café, com ampla área de convivência aberta para a cidade, e a piscina ao ar livre no topo. Para o visitante, portanto, além de aproveitar a vasta programação cultural e educativa promovida pelo Sesc, vale separar algum tempo para contemplar o prédio e seus espaços.

Na avenida Paulista, entre a avenida Consolação e a rua Bela Cintra, o edifício do Instituto Moreira Salles (IMS) chegou para dar ainda mais vitalidade a umas das áreas mais simbólicas e agitadas da cidade.

Próximo aos cinemas Belas Artes e Espaço Itaú, ao Conjunto Nacional, à dezenas de lojas, restaurantes, cafés e livrarias, o IMS tem agora sua sede paulistana em um dos mais destacados novos edifícios da cidade, projetado pelo escritório Andrade Morettin.

Ao centro, o prédio do IMS, na av. Paulista. Foto: Pedro Vannucchi/IMS

Com foco especial em fotografia, mas não só, o instituto abriga uma rica biblioteca, áreas expositivas, um auditório com programação de cinema, música e palestras e salas para cursos. Além disso, um café e um restaurante (Balaio) comandados pelo renomado chef Rodrigo Oliveira (do já clássico Mocotó, na zona norte) servem apetitosas releituras de clássicos da culinária brasileira.

Arquitetonicamente, a ideia de continuidade entre a rua e o piso térreo do edifício, encontrada também no projeto do Sesc 24 de Maio, parece ainda mais radical no IMS. Ali, um vasto vão que liga a calçada da avenida ao restaurante, situado ao fundo do lote, abriga apenas alguns bancos e as escadas rolantes que levam à área de acolhimento, no quinto andar. Neste piso estão não só a recepção, mas também o café, a livraria e um espaço que oferece uma bela vista para a Paulista – possibilitada por uma “abertura” na fachada de vidro fosco do prédio.

Mirante no topo do Sesc Avenida Paulista – Foto: Pedro Vannucchi/Divulgação

No outro extremo da mesma avenida, já na região do Paraíso, mais um Sesc ocupa agora um alto edifício recém-reformado, vizinho ao Itaú Cultural e a Casa das Rosas – dois pontos culturais importantes da cidade. Totalmente repaginado pelo escritório Konigsberger Vannucchi, o prédio – que já havia funcionado como unidade provisória do Sesc e estava fechado desde 2010 – possuí 17 andares dedicados às mais variadas áreas artísticas.

Com espaços expositivos e de espetáculos, área para crianças, laboratório de tecnologias e artes, biblioteca, comedoria e consultórios, o Sesc Avenida Paulista tem como um de seus grandes atrativos a vista para a cidade, que pode ser apreciada do terraço, ao lado do café, ou do (ainda mais elevado) mirante.

– Hotéis em SP para o Réveillon

No projeto, destacam-se também os andares que tiveram parte de suas lajes abertas para criar espaços com pé direito duplo, voltados para espetáculos ou exposições. As escadas laterais, protegidas pela fachada de vidro, também criam agradáveis e arejadas áreas de circulação.

Por fim, vale destacar mais um novo espaço cultural da cidade que, apesar de ter uma dimensão bem menor que os outros aqui apresentados, se soma à eles enquanto ponto de valor cultural e arquitetônico. Inaugurada em maio de 2017, a Japan House localiza-se quase em frente ao Sesc av. Paulista, em um edifício que ganhou uma reforma radical assinada pelo renomado arquiteto japonês Kengo Kuma.

Fachada da Japan House. Foto: Leila Fugii/ Portal Sesc

Com duas fachadas imponentes, uma principal constituída de um painel de madeiras japonesas e uma lateral feita com cobogós de concreto (num diálogo entre as tradições arquitetônicas oriental e brasileira), a Japan House é um espaço vinculado ao governo japonês que tem como missão divulgar a cultura do país no exterior. O centro abriga, em seus luminosos espaços interiores, áreas expositivas, auditórios, restaurante de comida tradicional, biblioteca e uma loja com produtos japoneses.

– Onde ouvir boa música em SP

About Muita Viagem

Dicas e histórias de viagens. É feito por Gustavo, jornalista, Danilo, comissário de voo, e amigos, que vivem viajando pelo Brasil e no mundo.

Comente aqui

O seu e-mail não é publicado. Preenchimento obrigatório *

*