Início / Destinos / Belém / Mercado Ver o Peso e Feira da 25 de Setembro, em Belém do Pará
cachos de tucupi

Mercado Ver o Peso e Feira da 25 de Setembro, em Belém do Pará

A cidade de Belém do Pará é quente, mas ainda mais quente quando estamos nas grandes feiras que acontecem todos os dias na cidade. Os dois principais mercadões de Belém são o Mercado do Ver-o-Peso e o Mercado da Vinte e Cinco de Setembro.

O Mercado do Ver-o-Peso é o mais conhecido. Localizado na cidade velha, ao lado de pontos turísticos importantes de Belém, faz parte do roteiro de quem está conhecendo o centro antigo de Belém. Fica entre a Estação das Docas e a Casa das Onze Janelas. Vale conhecer para vivenciar uma das maiores feiras a céu aberto do Brasil! Além de preço bom, o local vive lotado de turistas.

Mercado Ver o Peso – Belém

O Mercado Ver o Peso é, como geralmente são todos os grandes mercados centrais, um universo de cores, sabores e curiosidades. O que chama muito a atenção no ambiente do mercado é a cultura e o jeito de ser do povo paraense, traduzindo de uma forma bastante autêntica uma faceta do povo brasileiro.

Vale lembrar que o local é uma feira a céu aberto e, como todas as feiras, também tem uma grande mistura de cheiros (alguns não muito agradáveis) e, por vezes, sujeira no chão.

Em minha viagem à Belém, tinha que passar por lá.

Queria comprar castanha do Pará e guaraná. A castanha foi fácil achar. Na barraca do Belo, o preço do quilo da fruta seca estava a partir de R$15,00 até R$30,00 de acordo com a qualidade.

castanha-do-para-belem-brasil-ver-o-peso

Castanhas do Pará: boas para a saúde e preço bom para o bolso

É possível encontrar de tudo nas barracas e quiosques do mercado, desde o famoso açaí na tigela, farinha de tapioca, frutas e frutos da região, aves, peixes, ervas e misturas e fórmulas milagrosas contra queda de cabelo, impotência sexual, etc.

Algumas coisas interessantes para se comprar no Mercado Ver o Peso são frutas e grãos, especialmente a castanha do Pará, farinha de tapioca, pupunha e umbu.

Enquanto o quilo da pupunha estava R$9,00 na feira da 25, no Ver o Peso  encontrei por R$3,00. Curioso, pedi para experimentar o fruto. A pupunha tem um sabor leve, parecido com o palmito.

Outros preços de frutas baratas que pude conferir foi o mamão sendo vendido a R$2,00 (unidade); o abacate entre R$3,00 e R$4,00 (unidade) e a banana prata com preço variando entre R$3,00, R$4,00, R$5,00 e R$6,00 a dúzia.

mercado-ver-o-peso-frutas-belem-muitaviagem

frutas baratas no mercado do “ver o peso”

Guaraná em pau – direto da Amazônia

Após provar a pupunha e algumas andanças, finalmente encontrei o guaraná em pau. Já ouvi dizer que o pau de guaraná tem efeito estimulante muito mais potente do que o guaraná em pó que facilmente encontramos por aí.

Após algumas andanças e perguntar sobre onde encontrar o guaraná em pau, finalmente encontrei-o em uma barraquinha no final do mercado. O preço também é “quente” – R$ 60. Nada que uma pexinxa com a moça da barraca das ervas, não fizesse a mesma baixar o preço para R$50.

Uma pena que ela não tinha a língua do pirarucu, pois é costume e tradição, ralar o pau do guaraná na língua do peixe para extrair o pó do guaraná que pode ser adicionado no suco, vitamina ou café.

guarana-pau-belem-ver-o-peso-muitaviagem

Artesanatos: cerâmica indígena de Icoaraci

Também achei que valia a pena comprar alguns artesanatos. Encontrei nas barracas localizadas na parte superior da feira, diversos artesanatos feitos com palha, cipó, madeira e cerâmica.

Na barraca do Junior, por exemplo, um conjunto de cerâmicas feitas por índios de Icoaraci estavam uma graça e muito baratinhas. Estes artesanatos variavam entre R$5,00 e R$15,00 no máximo, bem mais barato do que a “lojinha Marajó, localizada na Estação das Docas.

Comprei um conjunto de três pratos de cerâmica indígena por apenas R$30,00; duas tigelas, uma pequena e uma grande e um vasinho também de cerâmica custando R$5,00, R$7,00 e R$10,00, respectivamente.

Qualquer uma dessas peças é um ótimo souvenir para dar de lembrança, e claro, enfeitar sua casa! Mas pense em como você vai levar no avião…

 

 

cerâmicas indígenas de Icoaraci

cerâmicas indígenas de Icoaraci

O Mercado da Vinte e Cinco de Setembro é outra dica para fazer compras de frutas e outros vegetais em Belém.

Feira da 25 de Setembro – Belém

Se o seu objetivo não for simplesmente turismo, indicamos o Mercado da 25 de Setembro, mais próximo ao aeroporto, ao lado do mercado Formoso. Além de ser mais limpo, a qualidade das frutas parece ser melhor do que o Mercado do Ver-o-Peso.

– Viajei por lá! Pontos turísticos em Belém

Para ir até o Mercado da 25 de Setembro segui por uma caminhada de cerca de 30 minutos pelo rua Rômulo Maiorana até chegar à avenida Vinte e Cinco de Setembro, onde está localizada a famosa “feira da 25”.

Lá é possível encontrar especialmente frutas, plantas e ervas, bem como comprar peixes, caranguejo e camarão desidratado. Aliás, este último é uma ótima dica de petisco para acompanhar uma cervejinha gelada.

Para quem gosta de comer açaí na tigela, uma dica é fazer uma parada na Barraca do Açaí, local onde você pode comprar a polpa da fruta, triturada na hora. O litro da polpa do açaí sai por R$18,00.

Além do açaí, o quiosque ainda vende polpa de frutas da região Amazônica – cupuaçu (R$9,00), cacau (R$6,00), araca (R$6,00), bacuri (R$20,00), graviola (R$11,00), entre outras.

A feira também é local ideal para descobrir novas plantas e ervas para adicionar novos temperos e sabores em sua comida! Há diversas barracas que vendem, por exemplo, o “tucupi”, um líquido amarelo muito utilizado nas receitas da cozinha nortista. Vale experimentar para temperar o frango! O preço médio do litro é R$4,00.

Você certamente irá ver muitos cachos de “pupunha” nas barracas do mercado. A “pupunha” é um fruto típico da região Amazônica, cozinho em água e sal, é muito consumido no Norte do Brasil. O preço do quilo da “pupunha” na barraca da Nazaré sai por R$9,00.

Outro produto que encontrei nesta barraca foi o óleo de andiroba. A andiroba é uma árvore e o óleo é extraído das sementes. Muito utilizado na produção de repelentes, o óleo também tem poder cicatrizante, anti-inflamatório e antissépticos, além de ser recomendável para massagens relaxantes.

No box 44 da Nazaré, havia dois tipos de óleo de andiroba – o frasco com óleo claro no valor de R$30,00 e o óleo preto, custando R$70,00. Para fazer massagem, segundo a vendedora, o óleo preto é muito melhor.

Ao lado deste quiosque, na Floricultura Nossa Senhora das Graças, fiquei impressionado com as mudas de pimenta de cheiro amarela. Todas carregadas! Tinham dois tipos de mudas, em cacho e simples. A mudinha da pimenta de cheiro amarela de cacho estava saindo por R$25,00.

Outra coisa que não é difícil encontrar são farinhas de diversos tipos, bem como coco ralado na hora! O saquinho de coco custa apenas R$1,00. É barato e muito bom!

Onde comer?

Uma dica é a barraca da Dona Elvira (box 14), localizada bem no centro da área de alimentação do mercado, perto dos banheiros.

Infelizmente o lugar é muito quente, mas a vantagem é que tanto água filtrada como suco natural de frutas da região são grátis. Além disso, o preço do prato é muito barato! Paguei apenas R$10,00 no filé de peixe com arroz, feijão, vinagrete e farinha + suco de cupuaçu.

Serviço
Barraca do Açaí
Box 47 – Mercado da 25 de Setembro
Tel.: +55 91 3228-0990

Barraca da Nazaré
Box 44 – Mercado da 25 de Setembro
Tel.: +55 91 3226-6872

Barraca da Dona Elvira
Box 14 – Mercado da 25 de Setembro

Sobre Danilo Hadek

Antes de começar o Muita Viagem, fui Relações Públicas e Comissário de Voo. Vivi no Canadá, fiz longas viagens nos Estados Unidos e alguns roteiros na Europa. Já estive em todas as capitais do Brasil, e em mais de 20 países pelo mundo. Quero conhecer o Oriente Médio, África e Ásia.

3 comentários

  1. Legal que gostou, Selvo!

    Veja mais dicas da região norte:

    http://muitaviagem.com.br/a/brasil/norte/

  2. melhor culinaria do brasil.

  3. massa, muito massa, adorei.

Deixe uma resposta

O e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *

*