Início / Destinos / Paris, França / Caminhadas e museus gratuitos em Paris

Caminhadas e museus gratuitos em Paris

Estudante gosta de fazer passeios culturais em viagens pela Europa, e o bacana de viajar com carteira de estudante na França, e em toda a Europa, é conseguir sempre bons descontos em museus e eventos culturais e artísticos.

Confira algumas opções de museus gratuitos de Paris que merecem a visita, sendo você estudante ou não. Os museus são um convite para deixar sua viagem ainda mais barata, legal e interessante!

Roteiro barato em Paris

Museus grátis e caminhadas

Por Diego Braga Norte

Esqueça o Louvre. Sinônimo de multidão, filas e cansaço, dá preguiça só de pensar em seus mais de 156 mil metros quadrados (quase 15 campos de futebol), mais de 35 mil obras permanentes e quase 9 milhões de visitas por anos.

Se você está com pouco tempo (ou muito), com a grana curta ou quer evitar as filas intermináveis do mais famoso museu do mundo, saiba que em Paris há outros muito bons. E melhor, gratuitos.

Há desde locais pequenos, charmosos e muito interessantes, como um apartamento onde morou o escritor Victor Hugo, até lugares grandiosos e também fascinantes, como o Museu Carnavalet, dedicado à história de Paris.

Abaixo você confere uma lista com os melhores museus gratuitos da capital francesa, com breve descrição e serviço.

Petit Palais

Jóia remanescente da Exposição Universal de 1900, o prédio é lindíssimo assemelha-se a um palácio de contos de fadas, com salões amplos, pisos, tetos e paredes amplamente decoradas.

A coleção permanente é belíssima e bem variada, com artefatos decorativos da renascença, arte sacra bizantina, quadros e esculturas cobrindo desde o século 17 até o 20.

Além de nomes consagrados como Eugène Delacroix e Claude Monet, o Petit Palais reserva surpresas como o impressionante quadro realista Le Bon Samaritan (O Bom Samaritano), de Aimé-Nicolas Morot; e a comovente sequência de gravuras La Bouchée Du Pain (A Fila do Pão), de Fernand Pelez. Se não bastassem as obras e a arquitetura, o local ainda tem um jardim interno agradabilíssimo e uma ótima cafeteria/restaurante.

Serviço

Avenue Winston Churchill, 75008, Paris

Telefone: +33 1 53 43 40 00

Metrô: Champs Elysées Clemenceau (linha 1, amarela e linha 13, azul claro)

Museu de Arte Moderna da cidade de Paris

Localizado em uma das alas do Palais de Tokyo, prédio de 1937 construído para a exposição de internacional de artes e tecnologia, esse museu de arte moderna não é tão famoso quanto o Centro George Pompidou, mas guarda preciosidades.

Sua coleção abriga mais de 8 mil obras e há quadros de pintores como Pablo Picasso, Henri Matisse, Jean Metzinger, Maurice de Vlaminck, Fernand Léger, Georges Braque, Amedeo Modigliani, Giorgio de Chirico, Maurice Utrillo, Sonia Delaunay, Juan Gris, Robert Rauschenberg, dentre muitos outros. As exposições temporárias também costumam ser muito boas, com curadoria caprichada.

Serviço

11 avenue du Président Wilson ,75116, Paris

Telefone: +33 1 53 67 40 00

Metrôs: Alma-Marceau (linha 9, mostarda) ou Iéna (linha 9, mostarda)

Trem Urbano (RER): Pont de L’Alma (linha C)

Museu Carnavalet

Localizado no coração do Marais, o mais hypado bairro de Paris, o prédio que abriga o Carnavalet, por fora, é sisudo e pouco convidativo. Não se engane pela aparência austera, pois em seu interior ele esconde um aprazível jardim, com arcadas, mosaicos verdes, flores, esculturas e bancos convidativos.

A coleção conta a história da Cidade Luz por meio de objetos de decoração e arte, além de achados arqueológicos, gravuras, documentos e fotografias.

Grandes salas decoradas com móveis e objetos de época funcionam como um túnel do tempo. As pinturas (mais de 2.600 quadros) retratam passagens e personagens marcantes da cidade.

Serviço

23, rue de Sévigné,75003, Paris

Telefone: +33 1 44 59 58 58

Metrô : Saint Paul (linha1, amarela)

Casa de Victor Hugo

Place des Vosges, com prédio onde morou Victor Hugo ao fundo

Mesmo que você não saiba quem é e nunca leu nenhum livro do mais célebre escritor francês, vale a pena visitar sua Maison (que em francês, além de “casa”, significa “lar”). Victor Hugo (1802-1885) – autor de O Cordunda de Notre- Dame, Os miseráveis, O Homem que Ri, dentre outras – morou no suntuoso apartamento entre 1832 e 1848.

Decorado com peças originais de época, dá para se ter uma boa ideia de como viviam os burgueses parisienses do século 19.

Os destaques ficam por conta da sala chinesa e o seu quarto, com sua escrivaninha especial (ele sofria de dores nas costas e escrevia em pé). A localização do apartamento, na Place des Vosges, merece um post à parte, pois se trata da mais antiga e mais bela (em minha opinião) praça de Paris.

Serviço

6, Place des Vosges, 75004, Paris

Telefone: +33 1 42 72 10 16

Metrôs : Saint Paul (linha1, amarela) ou Chemin Vert (linha 8, rosa)

Museu Cernuschi de artes asiáticas

Em 1896, um ricaço chamado Henri Cermuschi doou sua nada humilde casa, confortavelmente situada em frente ao Parque Monceu, para a prefeitura parisiense. Junto com o cafofo, ele doou também sua vasta e meticulosamente adquirida coleção de artes orientais.

As obras são de diferentes procedências (Japão, China, Coréia e Vietnã) e cobrem um amplo período histórico, com objetos datando de antes de Cristo até artes modernas e contemporâneas.

Artefatos e esculturas chinesas nos dão um panorama da evolução da arte oriental ao longo das diversas dinastias que se sucederam: Shang, Zhou, Han, Sui, Tang, Liao, Song, Yuan, Ming e finalmente a última, Quing, que foi expulsa da Cidade Proibida em 1912, após a revolução que culminou com a formação da República da China. E além do museu, não deixe de visitar o parque em frente, com seu imponente portão de entrada e jardins floridos.

Serviço

7, avenue Vélasquez,75008, Paris

Telefone: + 33 1 53 96 21 50

Metrôs : Monceu (linha 2, azul escuro) ou Villiers (linha 2, azul escuro e linha 3, verde)

Parques em Paris

Lugares para caminhar em Paris

Para além dos inúmeros museus, Paris também conta com centenas de parques, desde os mais tradicionais, verdadeiras pinturas impressionistas como o Jardim de Luxemburgo, até parques high-tech como o Parc de la Vilette, também para os amantes da arquitetura.

Aproveitamos a viagem e fizemos uma visita ao Parc de la Vilette em Paris. Fiquei surpresa pela viagem à uma Paris bucólica e ao mesmo tempo muito romântica. Um cantinho da Cidade Luz bem longe da agitação da modernidade.

Parc de la Vilette

Situado no XIXe arrondissement e cortado pelo canal de l’Ourcq, com um extensão de 55 hectares, o projeto de reabilitação do arquiteto suíço Bernard Tschumi data de 1982.

O parque high tech, com uma imensa área verde, chama atenção pelos seus diferentes elementos de cor vermelha que se destacam no espaço, as chamadas folies.

O parque é um verdadeiro centro cultural. Além de um tranquilo passeio, aí você encontra uma série de atividades e eventos como apresentações, teatro, oficinas infantis e shows. Uma agenda quase que infinita disponível em sua página web oficial.

Ainda que não façam parte do parque, qualquer visita a ele deve incluir seus arredores, praticamente em um único espaço, a Grande Halle, a Cité de la Musique, o Conservatório, o Teatro Paris-Villette, a Cité des Sciences et de l’Industrie, a Géode, o Zénith, o Trabendo, o Cabaret Sauvage e um centro equestre.

Estruturas vermelhas do Parc de la Vilette

As estruturas vermelhas possuem nomes como em uma quadrícula, e diferentes usos, como por exemplo, a folie L1, justo na entrada do parque. As folies são usadas como cafeteria, guardaria, primeiros socorros, depósitos, lojas, mirantes, num total de 31 usos.

Recomendamos a folie L4, um observatório com um mirante na cobertura.

A Géode do Parc de la Vilette

A grande esfera com 36 metros de diâmetro é avistada desde longe. Justo destra da Cité des Sciences et de l’Industrie, a Géode é na verdade uma sala de projeção de filmes IMAX, com uma tela de 1000m2!

A esfera é formada por milhares de triângulos equiláteros de aço que refletem a luz dando a sensação de ser uma grande bola espelhada.

Mais informações sobre horários e preços das sessões, confira o site da Géode.

Cidade das Ciências

A Cité des Sciences et de l’Industrie, ao lado do Parc de la Vilette é mais um atrativo perfeito para os pequenos.

Com diversas exposições sobre ciência, experimentos, atividades e jogos para as crianças e adultos, o centro ainda conta com biblioteca e laboratório, e área para profissionais. Um verdadeiro parque de diversão para curiosos e futuros gênios, que inclui ainda um simulador de voo.

Como chegar no Parc de la Vilette

O parque está na Avenue Jean Jaurès, 211. Distrito : La Villette / Belleville / Canal Saint-Martin.

– Metrô: Porte de la Villette Porte de Pantin | – Ônibus: 75, 151, PC2, PC3

Aberto de segunda a domingo, e a entrada é grátis.

O Parc de la Vilette em Paris é um sem dúvida uma inusitada visita na tradicional Paris romântica e bucólica. E para uma viagem completa a Paris, confira a série publicada no Muita Viagem, Paris Além do Óbvio.

Sobre Diego Braga Norte

Jornalista e nômade errante que, de quando em vez, acerta. Já morou na Alemanha, nos EUA, na França e em Assis. Autor de Iracema, mon amour, Paris além do óbvio, entre outras coisas.

Deixe uma resposta

O e-mail não será publicado. Campos obrigatórios *

*