Início / Viajei (relatos) / Cartão Postal / Inhotim, em BH – para que a realidade não nos destrua

Inhotim, em BH – para que a realidade não nos destrua

Parafraseando o filósofo Heráclito, tal como na fábula do rio, o mesmo homem também não consegue ir duas vezes à Inhotim-MG.

Na segunda visita o museu não será o mesmo, tampouco o camarada, que descobre sempre novas formas de circular pelas 23 galerias e interagir com as milhares de obras de arte espalhadas pelo complexo museológico ao ar livre.

Visitar o Museu Inhotim, pertinho de Belo Horizonte, é uma mistura de relaxamento, inquietação, ideias, emoções e sensações.

 

Roteiros e dicas para viajar em Minas Gerais

O que ver em Inhotim

Inhotim BH

Uma obra onde o silêncio nos faz ouvir o “Som da Terra”…

A obra mais inquietante sob o meu ponto de vista é o Sonic Pavilion, do artista Doug Aitken, que instalou microfones num buraco de 200 metros de profundidade para captar o som da Terra.

É um lugar de contemplação e meditação. Iria de novo apenas para passar mais algumas horas ali, ouvindo a eufonia de urros e sussurros, cantos e ruídos desta instalação fantasmagórica.

Inhotim BH

Desvio para o vermelho, uma das obras que chama bastante atenção

Um espaço diferente que despertou meu interesse foi a instalação Desvio para o vermelho, do artista brasileiro Cildo Meireles.

Dividida em 3 ambientes, onde tudo está “manchado” de vermelho, ao interagir com a obra, sentimos as mais variadas sensações. Vale a pena ler a resenha publicada no blog GV Cult do UOL.

Cildo Meireles Glove Trotter

Glove Trotter, outra obra do artista carioca Cildo Meireles

Outra peça do mesmo artista também chama a atenção. O título da obra alude ao globetrotter, alguém que viaja pelo mundo. Entretanto, na minha leitura, preso à antiguidade e míope com a inversão de valores.

Marilá Dardot Inhotim

Muita Viagem na obra da artista Marilá Dardot, em Inhotim-MG

Uma das atrações imperdíveis é A origem da obra de arte, de Marilá Dardot. A instalação é composta de centenas de vasos de cerâmica no formato de letras.

Sementes, terra e itens de jardinagem ficam à disposição para que o público faça suas próprias intervenções num amplo espaço verde do instituto.

O intuito é soltar a imaginação, semear arte e plantar ideias.

Adriana Varejão

Linda do Rosário, Adriana Varejão

Ainda cito como destaque a brasileira Adriana Varejão, com a obra Linda do Rosário, inspirada no desabamento do hotel homônimo, no RJ.

Fotos Claudia Andujar

Galeria da fotógrafa Claudia Andujar, em um dos pavilhões patrocinados

E, por fim, ou apenas ainda um começo, insuflo a galeria com as fotos da fotógrafa Claudia Andujar. São mais de 400 fotografias expostas em um dos maiores pavilhões do museu.

A lista de artistas e obras, no entanto, é tão extensa quanto o parque. Carroll Dunham, Chris Burden, Yayoi Kusama, Tunga, Helio Oiticica, Miguel Rio Branco e Matthew Barney são apenas alguns dos ícones da arte contemporânea com obras expostas no Instituto Inhotim.

O spoiler das obras termina aqui. A seguir, dicas para visitar o museu.

Dicas para visitar Inhotim, Brumadinho

Brumadinho MG

O Instituto Inhotim, em Brumadinho, apenas 60 km de BH

A área total do complexo é de 140 hectares.

Para conhecer o museu são necessários alguns dias de visita. O parque é imenso e as atrações são inúmeras. É um passeio que exige esforço físico e mental.

É como tentar conhecer o Louvre, em Paris. Você observa uma faceta do museu, mas jamais conseguirá sair dali fazendo todo o roteiro. Aliás, com esta perspectiva você não foge do inevitável, e torna cada visita uma experiência única.

A sugestão é reservar de 2 a 3 dias para conhecer “quase tudo” sem que fique muito puxado.

Para os aventureiros, a dica é acrescentar outros 2 dias para conhecer as cachoeiras da região. Existe um aplicativo da Estrada Real com mapas e roteiros para chegar nas cachoeiras em Brumadinho, a cidade possui belas trilhas.

Ao chegar na entrada do Inhotim, você deverá decidir se irá pagar pelo transporte dentro do museu (carrinhos circulares), alugar um carrinho privativo ou simplesmente caminhar.

É possível fazer os roteiros a pé, mas levará mais tempo e será exaustivo.

A recomendação é pagar R$ 28,00 pela utilização dos carrinhos que circulam entre os pavilhões. Deste modo, você chega mais rápido nas obras que deseja ver, pulando algumas sem ter que andar muito.

Existem três traçados — o amarelo, o laranja e o rosa, cada qual com dezenas de atrações. Contudo, há sempre algumas obras imperdíveis que devem ser incluídas dentro de cada pavilhão. Para quem tem apenas um dia para conhecer Inhotim, o carrinho é essencial.

Já quem gosta de ouvir explicações ao longo da visita, a programação do parque oferece o serviço de monitoria. São roteiros temáticos e educativos sobre arte, arquitetura, mudança do clima e biodiversidade no planeta. É necessário agendar com antecedência no site do Instituto Inhotim.

Não é permitido entrar com alimentos ou bebidas. Dentro do parque há restaurantes. O Oiticica é o mais barato com self service a R$ 43,00/kg. Já o sofisticado Tamboril tem buffet livre a R$ 79,00. Uma opção mais em conta são os cafés. Recomendo o Café Teatro, ao lado do Teatro Inhotim.

Para facilitar a localização do visitante, foi lançado recentemente o aplicativo do Instituto Inhotim, com mapa, rotas e informações sobre as obras.

piscina inhotim

É possível entrar nas piscinas de algumas obras

Por fim, vista-se com roupas e calçados confortáveis, chapéu e leve protetor solar e roupa de banho, pois é possível entrar nas piscinas que compõem algumas instalações.

Como chegar em Inhotim, Minas Gerais

O Instituto Inhotim está localizado em Brumadinho, Minas Gerais, a 60 km de Belo Horizonte. O acesso é feito pelo km 500 da BR-381, sentido Belo Horizonte-São Paulo, ou pela BR-040, sentido Belo Horizonte-Rio de Janeiro.

O local completou 11 anos em 2017, e já recebeu aproximadamente 3 milhões de visitantes desde 2006.

horário de funcionamento é de terças, quartas, quintas e sextas-feiras, das 9h30 às 16h30; sábados, domingos e feriados, das 9h30 às 17h30.

O preço do ingresso de terça a domingo é R$ 40,00; quartas-feiras (exceto feriado) é grátis; e crianças de até cinco anos não pagam.

Dentro do museu, o transporte custa R$ 28,00 por pessoa (carrinhos circulares) ou R$ 500 (carrinho privativo para até 5 pessoas).

Onde ficar?

Fique no hostel 70, em Brumadinho. Há suítes para casal, aconchego e pessoas simpáticas para interagir. Às quartas-feiras, quando a entrada em Inhotim é grátis, há bate papo sobre arte no jardim do hostel.

Danilo

Antes de começar o Muita Viagem, fui Relações Públicas e Comissário de Voo. Vivi no Canadá, fiz longas viagens nos Estados Unidos e alguns roteiros na Europa. Já estive em todas as capitais do Brasil, e em mais de 20 países pelo mundo. Quero conhecer o Oriente Médio, África e Ásia.

Tire a sua dúvida, comente. Participe!

O e-mail não será publicado. Campos marcados são obrigatórios *

*