Home / Vasto Mundo / Itália / 4 bons motivos para conhecer Palermo
Praias e cultura estão entre as coisas para conhecer em Palermo, na It;ália
O Golfo de Mondello, na Sicília, guarda lindas praias - foto: Sicilia! - CC

4 bons motivos para conhecer Palermo

Luiza Sahd

Dizem que a Sicília condensa o que a Itália tem de mais italiano. Sem entrar no perigoso terreno de regionalismos ou bairrismos, dá para dizer que Palermo, capital siciliana, faz a gente sentir pela Itália o que um gringo sentiria pelo Brasil quando conhece o Rio de Janeiro. Tudo tão típico (e mítico) que até emociona. Aqui, reunimos 4 argumentos definitivos para conhecê-la melhor.

O mar

Sendo bem sincera, enquanto planejava o tour pela Sicília, encarei minha estadia em Palermo como uma parte menor do que realmente me interessava na região: praias paradisíacas distantes da capital, muito descanso e comida de comer ajoelhada. O choque foi ter dado de cara com tudo isso (e muito mais) logo na primeira parada, sem precisar sequer sair do aeroporto: o pouso um pouco desastrado à beira-mar (êh, Ryanair velha de guerra) nos brindou com uma vista bem bonita já da janelinha do avião, mas foi na reserva natural de Capo Gallo que tive a certeza de que nem sempre o paraíso está obrigatoriamente afastado da metrópole.

Ir para a praia é uma experiência imperdível em Palermo, Itália

Reserva Natural de Capo Gallo – foto: Luiza Sahd

A escassos 15 quilômetros da estação central da cidade, Capo Gallo, na região de Mondello, é talvez a melhor aposta para quem foge de praias lotadas e valoriza aquele azul oceânico cinematográfico. O acesso por transporte público demanda pelo menos dois ônibus e, de carro, se paga uma taxa simbólica de 5 euros para estacionar já pertinho na zona de mergulho. Seja esperto e leve um lanche na mochila, além de sapatilhas adequadas para banhos de mar em praias de pedras.

– Roteiro pela Europa: dicas de viagens e lugares 

A cidade

Com mais de 800 mil habitantes, Palermo é pulsante e, ao mesmo tempo, clássica. Os monumentos e praças imponentes contrastam com a típica informalidade italiana no trato. É impossível não se sentir um pouco em casa observando o trânsito caótico e a maneira expressiva como os sicilianos se comunicam (mesmo quando não fazem muita força para falar em inglês).

Não deixe de caminhar sem pressa por Quattro Canti, de fotografar a Fontana Pretoria e de se embasbacar com a catedral Santa Maria dell’Ammiraglio, mas acima de tudo, não deixe de se perder um pouco pelas ruas e ir provando todos os lanchinhos possíveis e imagináveis como os Arancinis e Sfinciones. São incrivelmente baratos e inesquecivelmente saborosos.

Não deixe de coloar a Fontana Pretoria no roteiro em Palermo, Itália

Vista noturna da Fontana Pretoria – foto: Luiza Sahd

A cultura em Palermo

Palermo é como um museu a céu aberto. Além de ter sido palco de importantes eventos históricos e manifestações artísticas, a capital ainda reflete cicatrizes de desastres naturais como terremotos e conflitos da máfia italiana. Tudo isso só faz com que seja ainda mais intensa e instigante. Bom exemplo de tanta potência é o Teatro Massimo Vittorio Emanuele, o maior da Itália e o terceiro maior teatro de toda a Europa, atrás apenas da Ópera Nacional de Paris e da Ópera Estatal de Viena.

No roteiro por Palermo, na Itália, inclua o teatro

Detalhes do Teatro Massimo Vittorio Emanuele – foto: divulgação

Outro passeio imperdível é o Palácio dos Normandos, também conhecido como Palazzo Reale de Palermo, um dos monumentos mais visitados da Sicilia.

A noite

Pode ser que você caminhe tanto, se jogue no mar, visite tantas catedrais e prove tantas iguarias maravilhosas que fique tentado a ir direto para a caminha quente ao fim de um dia cheio em Palermo. No seu lugar, eu também faria isso. Inclusive tentei, mas fui convencida por amigos a tomar só mais um Limoncello antes de descansar e o resultado foi mais uma descoberta sobre essa cidade impressionante. Ela não termina com o dia. A noite em Palermo é muito animada. No auge do verão, em agosto, as festas de rua são muito convidativas e o grande risco é ir ficando “só mais um pouquinho” indefinidamente. Se deixasse, eu já emendava a praia do dia seguinte e assim sucessivamente até não voltar para casa nunca mais.

About Luiza Sadh

Luiza Sahd é jornalista, escritora e especialista em mídias digitais. Colaborou nas revistas Tpm, Superinteressante e Playboy, falando sobre comportamento, ciência, viagem, amor e sexo. O que realmente importa: já entrevistou Inri Cristo, já flertou com Bruno de Luca usando um abadá e, sob influência de Shakira, vive na Espanha há dois anos rebolando para viver da sua arte.

Comente aqui

O seu e-mail não é publicado. Preenchimento obrigatório *

*